segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Risoto de frango com pequi

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Risoto de frango com pequi
.
👨🏻‍🍳Esse é o prato que preparamos juntos nos stories. Adorei a experiência, vou deixar o passo a passo salvo nos destaques e em breve atualizo a receita aqui também. Quero saber o que vocês acharam 😋😋
.
Receita:
✔️Caldo: Refogue cenoura picada, cebola, cebolinha, cebola, e outros temperos de sua preferência com um pouquinho de azeite. Coloque alguns caroços de pequi (ou lascas), junte água e deixe ferver, não é necessário temperar;
✔️Em uma panela refogue cebola e alho, junte os caroços de pequi. Misture bem e acrescente um pouco de água. Deixe cozinhar bastante até a polpa começar a se soltar do fruto (se for usar as lascas em conserva não é necessário esse passo);
✔️Em outra panela refogue bastante cebola picadinha e posteriormente alho picado;
✔️Junte o frango em cubos já temperado (uso sal, pimenta do reino e páprica picante). Refogue bastante até ficar bem dourado;
✔️Coloque o arroz arbóreo e misture bem;
✔️Adicione palmito picado;
✔️Junte o pequi cozido (ou as lascas de pequi em conserva) e misture;
✔️Regue com um pouco do caldo de legumes peneirado e misture bem, sempre que tiver secando coloca mais um pouco. Aos poucos e mexendo sempre;
✔️Junte duas colheres de sopa de creme de pequi para deixá-lo mais cremoso e com uma cor mais viva;
✔️Quando o arroz estiver cozido, junte um pouco de queijo parmesão e uma colher de sopa de manteiga de leite. Misture bem, desligue o fogo e deixe a panela tampada por uns minutinhos;
✔️Finalize com queijo parmesão ralado e cebolinha picada.

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Wrap integral com salmão e molho de hortelã

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Wrap integral com salmão e molho de hortelã
.
👨🏻‍🍳Mais uma dica de receita saudável pra fazer na quarentena sem abrir mão do sabor
.
Receita:
✔️Doure levemente lascas de salmão na frigideira com um pouquinho de azeite e manteiga. Reserve;
✔️Aqueça uma folha de wrap em frigideira antiaderente (usei da marca @wickbold);
✔️Coloque-o sobre uma superfície lisa;
✔️Coloque duas fatias de queijo muçarela ou outro de sua preferência;
✔️Coloque as lascas de salmão por cima;
✔️Junte cenoura ralada, alface e tomate picado (tempere com sal e pimenta do reino);
✔️Enrole apertando o recheio para ficar bem firme;
✔️Sirva com molho de hortelã (usei molho pronto Tar & Tar)

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Brownie Low carb


Receita elaborada por uma grande amiga de longa data, a professora de Yoga Claudia Sabbag. Vale a pena se inscrever no canal dela. Sempre postando receitas com comida de verdade, nutritivas e saborosas.

Ingredientes:
5 ovos
100g de ghee (manteiga clarificada sem lactose)
100g de chocolate de sua preferência
1/2 xícara de xilitol
20g de stevia com baunilha
1/2 xícara de oleaginosa de sua preferência
1 pitada de sal
1 colher de café de fermento químico p/ bolo
1 colher de café rasa de bicarbonato de sódio

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno a 180ºc
Misturar a ghee ao chocolate e levar ao banho maria
Aguardar a mistura derreter
Adicionar à mistura os ovos um a um
Adicionar, em sequência, o sal, o xilitol, a stevia, o bicarbonato, fermento, farinha de amêndoa e a castanha (ou outra oleaginosa).
Coloque a mistura em uma forma com papel manteiga
e leve ao forno por 20 a 25 minutos

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Batatas rústicas assadas

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Batatas rústicas assadas
.
👨🏻‍🍳 Batata é sempre um excelente acompanhamento né? Seja em purê, frita, cozida, assada... Dessa forma fica com uma casca sequinha e macia por dentro, o segredo é caprichar nos temperos.
.
Receita:
✔️Lave bem as batatas, não é necessário retirar a casca;
✔️Cozinhe as batatas rapidamente para dar uma amolecida;
✔️Corte as batatas na metade e cada metade novamente ao meio;
✔️Tempere as batatas com bastante azeite e também sal, pimenta, páprica picante, chimichurri, tomilho e outros de sua preferência;
✔️Disponha as batatas em uma assadeira, afastadas uma da outra;
✔️Asse em forno alto pré aquecido até ficarem bem douradas
.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Fatores de risco modificáveis que podem auxiliar na prevenção de demências

Modificar 12 fatores de risco ao longo da vida pode retardar ou prevenir 40% dos casos de demência, sugere novo relatório. A publicação é uma atualização da Lancet Commission on Dementia Prevention, Intervention, and Care.

O texto original, publicado em 2017, identificou nove fatores de risco modificáveis que estimava-se que fossem responsáveis por um terço dos casos de demência. Nesta atualização a comissão acrescentou três fatores de risco modificáveis à lista.

"Nós reconvocamos a Lancet Commission on Dementia Prevention, Intervention, and Care de 2017 para identificar evidências de avanços que provavelmente terão o maior impacto desde nosso artigo de 2017", escreveram os autores.

O relatório de 2020 foi apresentado na Alzheimer's Association International Conference (AAIC) de 2020, que foi apresentada on-line por causa da pandemia de covid-19. O trabalho também foi publicado on-line em 30 de julho no periódico The Lancet.

Álcool, TCE e poluição

Os três novos fatores de risco acrescentados na atualização foram: consumo excessivo de álcool, traumatismo cranioencefálico (TCE) e poluição atmosférica.

Os nove fatores de risco originais eram: educação secundária incompleta; hipertensão; obesidade; perda auditiva; tabagismo; depressão; sedentarismo; isolamento social; e diabetes.

Estima-se que, juntos, esses 12 fatores de risco sejam responsáveis por 40% dos casos de demência no mundo.

"Nós sabíamos em 2017, quando publicamos nosso primeiro relatório listando os nove fatores de risco, que eles eram apenas parte da história e que vários outros fatores provavelmente estavam envolvidos", disse ao Medscape a primeira autora, Dra. Gill Livingston, médica e professora da University College London, no Reino Unido. "Nós agora temos mais dados publicados, com evidências suficientes" para justificar o acréscimo desses três fatores à lista, ela disse.

O relatório contém as nove seguintes recomendações para legisladores e indivíduos prevenirem o risco de demência na população em geral:

Manter a pressão arterial sistólica ≤ 130 mmHg a partir dos 40 anos de idade.
  • Incentivar o uso de aparelhos auditivos diante da perda auditiva, e reduzir a perda auditiva por meio da proteção dos ouvidos em relação a sons de alta intensidade.
  • Reduzir a exposição à poluição atmosférica e ao fumo passivo.
  • Prevenir a ocorrência de traumatismo cranioencefálico, focando particularmente em profissões de alto risco e nos meios de transporte.
  • Prevenir o abuso de álcool e restringir o consumo a menos de 21 unidades por semana.
  • Parar de fumar e ajudar outras pessoas a pararem de fumar – o que os autores destacam ser benéfico em qualquer idade.
  • Fornecer educação primária e secundária para todos.
  • Levar uma vida ativa na meia-idade (e depois dela).
  • Reduzir a obesidade e o diabetes.
O relatório também resume as evidências que dão suporte aos três novos fatores de risco de demência.

A traumatismo cranioencefálico costuma ser causado por acidentes de carro, moto ou bicicleta; participação em guerras ou manobras militares; prática de boxe, hipismo e outras atividades recreativas; uso armas de fogo; e quedas. O relatório observa que um único traumatismo cranioencefálico grave está associado em humanos e camundongos a uma doença com disseminação de tau hiperfosforilada.

O texto também cita vários estudos nacionais nos Estados Unidos que mostram que o traumatismo cranioencefálico está associado a aumento do risco de demência em longo prazo.

"Nós não estamos aconselhando que os esportes não sejam praticados, visto que fazê-lo é algo saudável. Mas estamos pedindo às pessoas que tomem precauções para se protegerem de forma adequada", disse a Dra. Gill.

Quanto ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas, o relatório informa que "estão surgindo cada vez mais evidências sobre a complexa relação entre o álcool e os desfechos de cognição e demência provenientes de diversas fontes, como detalhados estudos de coorte e grandes estudos analisando informações de bancos de dados".

Um estudo Francês, que incluiu mais de 31 milhões de indivíduos hospitalizados, mostrou que os transtornos por uso de álcool foram associados a um aumento de três vezes do risco de demência. No entanto, outros estudos sugeriram que um consumo moderado de álcool pode ser protetor.

"Nós não estamos dizendo que beber é ruim, mas estamos dizendo que é ruim beber mais de 21 unidades por semana", observou a Dra. Gill.

Quanto à poluição atmosférica, o relatório observa que, em estudos com animais, foi mostrado que partículas poluentes no ar aceleram processos neurodegenerativos. Além disso, pesquisas anteriores demonstraram que concentrações elevadas de dióxido de nitrogênio (partículas finas presentes no ambiente resultantes da exaustão do tráfego e da queima residencial de madeira) estão associadas ao aumento da incidência de demência.

"Embora seja necessária uma política internacional para redução da poluição atmosférica, as pessoas podem tomar algumas atitudes para reduzir o próprio risco", disse a Dra. Gill. Por exemplo, ela sugeriu evitar caminhar próximo a ruas com tráfego intenso e preferir caminhar "em ruas mais afastadas, se possível".

Perda auditiva

Os pesquisadores avaliaram o quanto cada fator de risco contribui para a demência, o que foi expresso pela fração atribuível populacional (FAP). A perda auditiva teve o maior efeito, respondendo por estimadamente 8,2% dos casos de demência. A seguir, vieram o baixo grau de instrução em jovens (7,1%) e tabagismo (5,2%).


A Dra. Gill observou que as evidências de que a perda auditiva é um dos fatores de risco de demência mais importantes são muito fortes. Novos estudos mostram que corrigir a perda auditiva com aparelho acaba com qualquer aumento do risco.

A perda auditiva "tanto tem um elevado risco relativo de demência como é um problema comum, contribuindo então com uma quantidade significativa de casos de demência. Isso é algo que de fato podemos reduzir de forma relativamente fácil ao incentivarmos o uso de aparelhos auditivos. Eles precisam se tornar mais acessíveis, mais confortáveis e mais aceitáveis", ela disse.

"Isso pode fazer uma grande diferença na redução de casos de demência no futuro", acrescentou a Dra. Gill.

Outros fatores de risco cujas evidências estão cada vez mais fortes desde a publicação do relatório em 2017 são pressão arterial sistólica alta, interação social e acesso a educação no início da vida.

A Dra. Gill observou que o ensaio clínico SPRINT MIND mostrou que estabelecer 120 mmHg como alvo para a pressão arterial sistólica reduziu o risco de declínio cognitivo leve no futuro.

"Antes, acreditávamos que o alvo fosse < 140 mmHg, mas agora estamos recomendando < 130 mmHg para reduzir os riscos de demência", ela disse.

Evidências sobre interação social "têm sido muito consistentes, e agora temos mais certeza disso. Hoje está bem estabelecido que aumentar a interação social na meia-idade reduz a ocorrência de demência mais tarde", disse a Dra. Gill.

Sobre os benefícios da educação nos jovens, ela pontuou que já se sabe há algum tempo que a instrução de indivíduos com menos de 11 anos de idade é importante para reduzir a demência no fim da vida. No entanto, agora pensa-se que a instrução até os 20 anos de idade também faça diferença.

"Embora manter o cérebro ativo quando se é mais velho tenha alguns efeitos positivos, aumentar a atividade cerebral em pessoas jovens parece ser mais importante. Isso provavelmente se deve à maior plasticidade do cérebro no jovem", disse.

Sono e alimentação

Dois fatores de risco que não entraram na lista foram alimentação e sono.

"Embora muitos dados tenham sido publicados sobre nutrição e sono em relação à demência nos últimos poucos anos, nós não achamos que se acumulou evidências suficientes para incluí-los na lista de fatores de risco modificáveis", disse a Dra. Gill.

O relatório cita estudos sugerindo que, tanto o excesso como a falta de sono estão associados a aumento do risco de demência, o que, segundo os autores, não faz "sentido em termos biológicos".

Além disso, outros fatores de risco subjacentes relacionados com o sono, como depressão, apatia e diferentes padrões de sono, podem ser sintomas de demência precoce.

Mais dados foram publicados sobre alimentação e demência, "mas não existe um déficit de vitaminas individual associado a doença. As evidências são claras sobre isso", disse a Dra. Gill.

"Dietas como a Mediterrânea ou Nórdica provavelmente podem fazer diferença, mas não parece haver nenhum elemento em particular que seja necessário", observou ela.

"Nós apenas recomendamos manter uma alimentação saudável e um peso adequado. A dieta está muito conectada a circunstâncias econômicas, então é muito difícil de separá-la como um fator de risco. Nós achamos que está associada, mas não estamos suficientemente convencidos para colocá-la no modelo", acrescentou a pesquisadora.

Dentre as outras importantes informações disponibilizadas desde 2017, a Dra. Gill destacou novos dados mostrando que a demência é mais comum em populações menos privilegiadas, incluindo negros e grupos étnicos minoritários, e em países de baixa e média rendas.

Embora a demência seja tradicionalmente considerada uma doença de países de alta renda, agora foi mostrado que esse não é o caso.

"Pessoas em países de baixa e média rendas estão vivendo mais tempo, e assim evoluindo mais com demência, e elas têm maiores taxas de muitos outros fatores de risco, incluindo tabagismo e baixo grau de instrução. Existe um grande potencial para prevenção nesses países", disse a Dra. Gill.

Ela também destacou novas evidências mostrando que pacientes com demência não evoluem bem quando admitidos no hospital. "Então precisamos fazer mais para mantê-los bem em casa", ela disse.

Recomendações sobre covid-19

O relatório também tem uma seção sobre a covid-19. O documento indica que pacientes com demência são particularmente vulneráveis à doença por conta da idade, presença de múltiplas comorbidades e dificuldade de manter o distanciamento social.

Certidões de óbito registradas no Reino Unido indicam que demência e doença de Alzheimer foram as doenças subjacentes mais comuns, presentes em 25,6% de todos os óbitos envolvendo a covid-19.
A situação é particularmente preocupante em casas de repouso. Em um estudo norte-americano, pessoas com demência institucionalizadas corresponderam a 52% dos casos de covid-19 e contabilizaram 72% de todos os óbitos (aumento do risco de 1,7), de acordo com a comissão.

Os autores recomendam medidas de saúde pública rigorosas, como equipamento de proteção individual e higiene, não mover a equipe ou os residentes entre diferentes lares e não admitir novos residentes caso o status para covid-19 não tenha sido identificado. O relatório também recomenda que as equipes sejam testadas com regularidade e o fornecimento de oxigenoterapia domiciliar para evitar hospitalizações.
Também é importante reduzir o isolamento ao fornecer o equipamento necessário para os familiares, e oferecer um breve treinamento sobre como protegerem a si próprios e aos outros da covid-19, assim eles podem visitar seus parentes com demência em instituições com segurança quando for permitido.

"Revisão mais abrangente até o momento"

A Alzheimer's Research UK elogiou o novo relatório. "Essa é a revisão mais abrangente sobre risco de demência até o momento, construída com base no trabalho prévio da comissão e seguindo adiante", disse a Dra. Rosa Sancho, Ph.D., chefe de pesquisa da instituição filantrópica.

"Esse relatório destaca a importância de agir no âmbito pessoal e das políticas públicas para reduzir o risco de demência. Com o Alzheimer's Research UK's Dementia Attitudes Monitor mostrando que apenas um terço das pessoas acreditam ser possível reduzir o próprio risco de demência, claramente existe muito a ser feito para aumentar a conscientização das pessoas sobre as medidas que podem ser tomadas", disse a Dra. Rosa.

Ela acrescentou que, embora não exista "uma forma certeira de prevenir a demência", a melhor maneira de manter o cérebro saudável conforme ele envelhece é o indivíduo permanecer física e mentalmente ativo, ter uma alimentação balanceada, não fumar, beber dentro dos limites recomendados e manter o peso, os níveis de colesterol e a pressão arterial dentro dos conformes. "Diante da ausência de tratamentos capazes de desacelerar ou impedir a demência, ações para reduzir esses riscos são parte importante da nossa estratégia para enfrentar a doença", disse a Dra. Rosa.

A Lancet Commission é apoiada pelo University College London, pela Alzheimer's Society UK, pelo Economic and Social Research Council e o Alzheimer's Research UK, que financiaram passagens, acomodações e alimentação para o encontro da comissão, mas não tiveram participação na redação do documento ou na decisão de submetê-lo para publicação.

Primeiro de Setembro - Dia do Médico Endocrinologista e do Profissional da Educação física

Ontem foi comemorado o dia desses dois grandes profissionais. E é uma honra pra mim homenagear ambos. Minha relação com a Endocrinologia é antiga. Metade da minha faculdade eu quis ser Endocrinologista. Meu currículo quase todo durante a graduação foi pautado em publicar trabalhos relacionados à área de Endocrinologia. Minha monografia durante a graduação foi com tema de endocrinologia. E a da pós de Nutrologia também foi de forma indireta relacionadas à Endocrinologia (Vitamina D e Diabetes mellitus).

Admiro muito endócrino, gosto de estudar fisiologia hormonal, mas como Nutrólogo não me sinto seguro e muito menos habilitado para prescrever hormônios. Bato sempre nessa tecla, pois acho que devemos respeitar quem tanto estuda determinado assunto. Consigo fazer investigações de déficits? Sim, mas a prescrição acho que deve ser reservada ao endocrinologista. Tenho grandes amigos endocrinologistas e trabalho em parceria com eles. Acho endócrino legal, mas minha paixão é a Nutrologia. Eu gosto de estudar doenças Nutricionais. Prescrever Nutrientes e acompanhar o quão fabuloso é o impacto dos nutrientes na saúde humana. 

O Endocrinologista é o profissional que estuda as pequenas substâncias que regem a humanidade rs. O Nutrólogo é o médico que estuda as pequenas substâncias que nutrem os seres vivos. Ambos se complementam. 

Graças a Deus que consigo trabalhar em harmonia com a maioria dos endocrinologistas que atendem meus pacientes.Dizem as más línguas que Endócrino não gosta de Nutrólogos. Talvez porque muitos Nutrólogos invadam a área da Endocrinologia ou por pura ignorância, da real função do Nutrólogo. Já que hoje, criou-se um mito de que a função do Nutrólogo é tratar obesidade, hipertrofia muscular e prescrever hormônios. Grande engano! Obesidade corresponde a apenas uma parcela das doenças que tratamos. Muitos Nutrólogos como eu, sequer tratamos a parte de hipertrofia muscular em indivíduos saudáveis ou trabalhamos com melhora de performance em atletas. Tem Nutrólogo para todos os gostos.

Já os profissionais da Educação física arrumam "confusão" com médicos Ortopedistas, Físiatras, Médicos do Esporte e até mesmo com Nutrólogos. Mas nós não vivemos sem o trabalho de vocês. Eles são peça fundamental nesse quebra-cabeça que é a busca por mais vitalidade, funcionalidade e saúde. Auxiliam na reabilitação, prevenção e tratamento de inúmeras doenças. Valorizem-se cada dia mais, é essa a dica que dou para vocês. Tenho uma admiração pelo trabalho de vocês e por isso o meu Nutricionista (Rodrigo Lamonier) que atende junto comigo, também é graduado em Educação Física. Assim ele consegue orientar melhor nossos pacientes quando o assunto é atividade física. 


Parabéns a esses profissionais !

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Espaguete de cenoura e abobrinha verde com carne moída .

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Espaguete de cenoura e abobrinha verde com carne moída

👨🏻‍🍳Esse é uma clássico das receitas fitness, leva o nome de espaguete só pelo formato alongado mesmo. O fato é que a combinação de cenoura e abobrinha verde refogadas fica uma delícia. Com carne moída então, é melhor ainda. Vou te contar os segredos desta receita. Anota aí:
.
Receita:
.
✔️Com ajuda de um ralador, rale os legumes no sentido longitudinal, fazendo tiras longas;
✔️Tempere com sal e pimenta do reino;
✔️Deixe uma frigideira bem aquecida, e refogue aos poucos a cenoura e depois a abobrinha;
✔️Não precisa mexer muito, é só o tempo de murcharem. Se deixar demais fica muito mole e com aspecto grudado e não fica legal;
✔️ Faça o mesmo processo com a abobrinha;
✔️Quando já estiverem refogadas, misture as duas em uma panela e adicione carne moída já preparada com molho de tomate .
.
.
.
.

31 de Agosto - Dia do Nutricionista



Parabéns a todos os Nutricionistas pelo seu dia.

Especialmente para aqueles que exercem uma Nutrição com amor, acolhimento e conseguem trabalhar de forma harmônica com Nutrólogos. Minha gratidão a todos os nutricionistas que trabalharam e trabalham comigo.
@carolmoraisnut minha eterna ex-sócia e que me ensinou muito do que sei.
@moreira.isis minha afilhada que virou uma águia gigante ao seguir as batidas do próprio coração.
@rodrigolamoniernutri meu afilhado que virou meu braço direito e não me vejo mais exercendo a Nutrologia sem ele, lado a lado na consulta. 
@franciele.martins17 minha nutri no ambulatório de Nutrologia no SUS, que divide comigo as dificuldades de se praticar nutrição e nutrologia na saúde pública. 

E a todos aqueles que passaram e ainda passam pela minha vida. 

Atenção: o Parabéns não se estende aos Nutricionistas que desencadeiam transtornos alimentares/psiquiátricos em seus pacientes.Nem a aqueles que ficam ferindo o código de ética. Que exibem paciente como troféu, que prescrevem medicamentos e postam foto de antes e depois.

Nutricionista tem que trabalhar em prol da vida, da saúde, da cura.

Atletas e médicos ganham guia elaborado por entidades médicas e esportivas e que ajuda a prevenir casos de doping

 Atletas e médicos ganham guia elaborado por entidades médicas e esportivas e que ajuda a prevenir casos de doping


                                             

Os médicos e atletas brasileiros podem contar a partir desta sexta-feira (11) com um guia prático, com orientações objetivas, sobre os riscos do doping causado pelo uso de medicamentos e suplementos. O documento de 72 páginas foi produzido pela Câmara Técnica de Medicina do Esporte do Conselho Federal de Medicina (CFM) e contou com a contribuição de especialistas da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBMEE), do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

Clique aqui http://portal.cfm.org.br/images/PDF/medicina_esporte.pdf para baixar o documento.

Além do lançamento do guia, que acontece hoje durante o IV Fórum de Medicina do Esporte, o Conselho Federal de Medicina e as outras entidades devem anunciar ainda um esforço conjunto para combater o doping. A intenção é conscientizar de um lado os competidores sobre os riscos do uso inadvertido de fórmulas e os médicos e os profissionais da saúde sobre os efeitos que determinados medicamentos podem gerar. Para o presidente do CFM, Carlos Vital, a expectativa é criar uma rede colaborativa de ética e boas práticas esportivas.

"Esperamos que essa cartilha sirva de apoio não só para os profissionais especializados no tema, mas para todos os interessados. Certamente será um subsídio importante, principalmente para o médico assistente de atletas e de praticantes de exercícios físicos, além dos próprios esportistas e suas equipes de apoio", afirmou.

Lacuna – O trabalho, que será encaminhado a todos os médicos brasileiros, em especial aqueles que atuam em áreas como ortopedia, traumatologia, cardiologia e endocrinologia, preenche uma importante lacuna. O texto traz informações sobre substâncias consideradas válidas, mas com consumo não liberado entre competidores por interferirem em seu desempenho e por provocarem ganho de força, velocidade ou resistência.

Os atletas profissionais ou de alta performance de todas as modalidades são os mais vulneráveis pela ingestão indevida desses produtos, pois são rotineiramente submetidos a testes de doping. Contudo, os praticantes de atividade física amadores também podem ser prejudicados, com o aumento do rigor na fiscalização de provas específicas para esse grupo. De acordo com Hésojy Gley Pereira Vital da Silva, do CPB e responsável pela elaboração do documento, a tendência é que as análises para identificar casos de dopagem passem ser comuns em eventos não profissionais.

Situação do Brasil – Segundo a ABCD, o doping é caracterizado pela utilização de substâncias ou métodos proibidos capazes de promover alterações físicas ou psíquicas que melhoram artificialmente o desempenho esportivo do atleta. No Brasil, o Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, criado em 2016, já puniu cerca de 30 atletas pelo uso de substâncias proibidas – alguns casos estão em grau de recurso. Ao todo, aproximadamente 70 processos tramitam na Corte.

Já o relatório mais recente publicado pela WADA (sigla em inglês da Agência Mundial Antidoping), também de 2016, dentre os 34 laboratórios certificados pela entidade espalhados em 29 países pelo mundo, o Brasil possui a 10ª menor média de Resultados Analíticos Adversos (AAF, na sigla em inglês), que são os casos onde foram identificadas substâncias proibidas nos exames de doping.

Das 9.465 amostras submetidas a exames de urina e sangue, 98 apresentaram resultados positivos (AAF), número que representa 1,04% do total das amostras. O número está abaixo da média mundial (1,60%), calculada a partir dos dados coletadas pelos 34 laboratórios certificados pela WADA. Cerca de 60% das amostras foram realizadas em competições oficiais e os outros 40%, fora de competições oficiais.

Além disso, outras 716 amostras foram coletadas para serem submetidas ao exame do Passaporte Biológico do Atleta (ABP), que analisa a saúde do atleta a partir de dados sanguíneos em busca de alterações. Com os avanços científicos e tecnológicos, o crescimento desse tipo de exame já é perceptível. Só no Brasil, os números saltaram de 101 coletas, em 2015, para 716 no ano seguinte.

Aumento de casos – Entre os anos de 2015 e 2016, houve um aumento expressivo do percentual de resultados positivos a nível mundial, saltando de 1,26% para 1,60%. Esse aumento, segundo aponta o próprio relatório da WADA, está diretamente ligado a inclusão do Meldonium entre as substâncias proibidas. O fármaco ficou mundialmente conhecido após a denúncia de doping da tenista russa Maria Sharapova.

Trata-se de uma substância usada para tratamento de pacientes com problemas cardíacos e normalmente é receitado para quem sofre de isquemia do coração, doenças neurodegenerativas, pulmonares e doenças do sistema imunológico. Dentre as 721 ocorrências de uso de substâncias classificadas como Moduladores Metabólicos e Hormonais, o Meldonium foi responsável por 71% dos casos.

Entre os atletas amadores, uma das substâncias mais comuns é a Eritropetina, um hormônio que eleva a produção de células vermelhas pelo sangue. Ao aumentar a capacidade de transporte de oxigênio pelo sangue, a substância, consequentemente, permite a produção de energia aeróbica e melhora o rendimento em provas longas e extenuantes.

O medicamento é indicado para doenças que afetam a produção de células vermelhas e o uso indevido pode acarretar em doenças como trombose, além de aumentar as chances de um infarto ou um Acidente Vascular Cerebral (AVC). O caso mais famoso de dopagem por Eritropetina é o do ciclista americano Lance Armstrong, que ficou conhecido por ter vencido o Tour de France sete vezes (de 1999 a 2005). Armstrong teve todos seus títulos cassados e perdeu todos os patrocínios.

Nas academias, por exemplo, as substâncias mais comuns são os esteroides anabolizantes, hormônios produzidos sinteticamente a fim de substituir a testosterona. Nomes como androsterona, dianabol e drostanolona são recorrentes nesse meio e, inclusive, de fácil acesso em farmácias convencionais ou nas de manipulação.

Em geral, os efeitos buscados são a perda de gordura e o aumento da massa muscular, mas os efeitos colaterais são diferentes em homens e mulheres. Nas mulheres, há o desenvolvimento de características masculinas como o engrossamento da voz, crescimento de pelos e aumento da força física, assim como perda de gordura e aumento da massa muscular. Já nos homens ocorre o inverso. Ao injetar hormônios extras, o corpo masculino entende que não precisa mais produzir e isso leva a um atrofiamento dos testículos.

Em 2007, durante os Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro, a nadadora brasileira Rebeca Gusmão foi acusada no exame antidoping por altas taxas de testosterona no corpo. Na época, a nadadora perdeu as quatro medalhas conquistadas na competição – dois ouros, uma prata e um bronze, além de ser banida do esporte olímpico.

Debate – Com a aproximação de um dos maiores eventos esportivos do Mundo, a Copa do Mundo de Futebol, o CFM, juntamente com entidades médicas e esportivas, promove nesta sexta-feira (11) o IV Fórum de Medicina do Esporte, em Brasília (DF), durante o qual será lançado o guia.

A expectativa é reacender as discussões sobre as regras básicas relacionadas ao doping e à suplementação alimentar nas modalidades de alta performance. Para o coordenador da Câmara Técnica de Medicina do Esporte do CFM, Emmanuel Fortes, muitos atletas são pegos em exames antidoping porque usaram medicamentos prescritos por médicos que não são do clube e não tinham conhecimento das substâncias proscritas no esporte. 

Segundo ele, o Brasil já esteve entre o grupo dos dez países com maior número de casos de doping registrados pela WADA, entidade esportiva internacional que fiscaliza o tema. "Hoje esse é um problema contra o qual as autoridades brasileiras estão mais atentas. No entanto, infelizmente o doping tem alcançado muitos adeptos no esporte amador, principalmente entre aqueles que buscam notoriedade nas redes sociais", lamentou.

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Brasil: Ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram em dez anos



Resumo: 
  1. A ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram em dez anos.
  2. A frequência de uso do açúcar pelas pessoas caiu de 90,8% para 85,4% em dez anos. No mesmo período, aumentou de 1,6% para 6,1% o percentual da população que não usa açúcar ou adoçante. Enquanto o uso de edulcorantes artificiais aumentou de 7,6% para 8,5%.
  3. O uso do sal adicionado em comidas prontas foi mencionado por 13,5% da população e era mais frequente em homens adultos (16,5%).
  4. O consumo da gordura saturada diminuiu entre homens, mulheres e todos os grupos de idade.
  5. O sódio foi ingerido acima do limite por 53,5% da população e o índice foi mais elevado em homens adultos (74,2%) e menor em mulheres idosas (25,8%).
  6. As dietas para emagrecimento foram mais frequentes nas mulheres adultas (9,4%).
  7. 19,2% das pessoas informaram o uso de pelo menos um suplemento alimentar no período de 30 dias anteriores à pesquisa.
O prato na mesa do brasileiro apresentou mudanças em dez anos que acabaram alterando o perfil de consumo de alguns nutrientes. Nesse período, a ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram. Outros hábitos na alimentação continuam bastante presentes no prato e no copo do brasileiro, como adicionar açúcar em bebidas e alimentos e colocar sal em preparações prontas. As informações são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil, publicada hoje (21) pelo IBGE.

Para o gerente da pesquisa, André Martins, esses dados dão um panorama a respeito da dieta brasileira. “Nossa alimentação ainda é baseada no feijão, arroz e carne, e isso é positivo, mas temos que melhorar o consumo de frutas e legumes e diminuir o açúcar e o sódio em excesso”, analisa o pesquisador.

O consumo de ácidos graxos saturados (gordura saturada) diminuiu no grupo dos homens e mulheres e nas três faixas etárias pesquisadas: adolescentes, adultos e idosos. A faixa de mulheres idosas apresentou a maior queda: a contribuição na alimentação passou de 10,2% para 9,3%. De acordo com a médica e consultora da pesquisa, Rosely Sichieri, essa redução é positiva e pode ser atribuída à redução no consumo de carne bovina apresentada no Brasil entre 2008 e 2018.

O conteúdo em fibra na dieta também caiu, em dez anos, em todas as faixas etárias e ambos os sexos, mas atingiu, principalmente, as mulheres com 60 anos ou mais, passando de 20,5g em 2008 para 15,6g em 2018 nessa faixa. Para a consultora, essa queda indica deterioração da qualidade da alimentação, e corresponde à diminuição do consumo de feijão, cuja frequência no prato caiu de 72,8% para 60% no período. “É um dos alimentos da dieta brasileira que proporciona grande parte das fibras alimentares”, explica Sichieri.

Mas a alta frequência de consumo de açúcar e sal ainda preocupa os especialistas. Para adoçar bebidas e comidas, 85,4% da população afirmou colocar açúcar. A frequência diminuiu (era de 90,8% em 2008), mas ainda é considerado alta. O maior consumo ficou entre os adolescentes, chegando a 93% em ambos os sexos, e o menor entre as mulheres com 60 anos ou mais (69,2%). Nesses dez anos, aumentou de 1,6% para 6,1% o percentual da população que afirma não adicionar nem açúcar nem adoçante. Já o uso de edulcorantes artificiais aumentou de 7,6% para 8,5%.

A contribuição percentual das proteínas, carboidratos e gorduras para a ingestão total de energia também se manteve estável, variando entre 53% e 57% para carboidratos, 28% e 30% para gorduras e 17% e 19% para proteínas, em ambos os gêneros.

O sal era adicionado em comidas prontas por 13,5% da população e era mais frequente em homens adultos (16,5%). O sódio foi ingerido acima do limite por 53,5% da população, índice mais elevado em homens adultos (74,2%) e menor em mulheres idosas (25,8%). “A pesquisa mostra que o brasileiro continua com níveis de consumo de sódio acima do limite tolerável, levando em considerações as recomendações médicas. É um ponto que temos que prestar atenção”, aponta Martins.

Mulheres lideram suplementação e dietas para emagrecer

A pesquisa também traz informações a respeito de suplementação e dietas restritivas para emagrecimento ou para tratamento de doenças e distúrbios. Segundo a POF, as dietas para emagrecimento foram mais frequentes nas mulheres adultas (9,4%), enquanto as restrições alimentares relacionadas às doenças crônicas ou distúrbios metabólicos como hipertensão e diabetes foram referidas por 26,8% das mulheres idosas e 19,1 % dos homens idosos.

Segundo a POF, 19,2% das pessoas informaram o uso de pelo menos um suplemento alimentar no período de 30 dias anteriores à pesquisa. Esse índice sobe para 41% entre as mulheres idosas, que informaram em maior proporção o uso de suplementos com cálcio (21,3%) e com vitaminas (19,5%).

Suplementos à base de proteínas e outros suplementos para atletas foram referidos por 1,7% da população geral, enquanto 13,9% informaram estar em restrição alimentar.

Uso de injetáveis na Nutrologia - Quando utilizar e aspectos éticos e legais

Recentemente, temos percebido uma confusão sobre o tema “terapia com injetáveis em Nutrologia”. Classicamente, na Nutrologia temos a Terapia Nutricional Parenteral que, de acordo com a Portaria 120/2009 (ANVISA), consiste em uma solução ou emulsão composta por carboidratos, lipídeos, aminoácidos, vitaminas e minerais destinada à administração intravenosa, para suprir as necessidades metabólicas e nutricionais de pacientes impossibilitados de alcançá-las pela via oral ou pela via enteral. Há indicações bem estabelecidas na literatura e é uma prática que salva vidas, devendo ser prescrita somente por médicos.

Atualmente, temos visto aplicação de aminoácidos, vitaminas, minerais e nutracêuticos por via intramuscular ou por via intravenosa, realizadas em consultórios. 

Isso é proibido? Não, se seguir as normativas da vigilância sanitária. 

Isso é área de atuação do nutrólogo? Sim, se tiver indicação com evidência científica, mas será considerado antiético se o médico exagerar no diagnóstico do paciente, praticando atos médicos desnecessários. Nesse caso, ele pode infringir os artigos 14 e 35 do Código de Ética Médica (CEM), citados a seguir:

Art. 14. [É vedado ao médico] Praticar ou indicar atos médicos desnecessários ou proibidos pela legislação vigente no País.

Art. 35. [É vedado ao médico] Exagerar a gravidade do diagnóstico ou do prognóstico, complicar a terapêutica ou exceder-se no número de visitas, consultas ou quaisquer outros procedimentos médicos.

Caso o paciente apresente alguma complicação decorrente do tratamento prescrito, o médico também pode responder por infração referente ao artigo 1º do CEM:

Art. 1º [É vedado ao médico] Causar dano ao paciente, por ação ou omissão, caracterizável como imperícia, imprudência ou negligência.

E quais seriam as situações em que se justifica a aplicação dessas substâncias por uma via que não seja a via oral? 

1º: se o trato grastrointestinal (TGI) não está funcionante, ou inacessível, ou com dificuldade absortiva, ou quando a demanda metabólica é superior a capacidade de tolerância do TGI: opta-se pela nutrição parenteral, plena ou suplementar.

Temos como exemplos pacientes portadores de síndrome do intestino curto, pacientes oncológicos com deficiência nutricional grave, portadores de doença inflamatória intestinal em atividade que não toleram dieta oral ou dieta enteral, dentre outras inúmeras condições clínicas e cirúrgicas. 

2º: situações de falhas no tratamento após tentativas de reposição de eletrólitos, vitaminas ou minerais por via oral ou por via enteral, como pacientes pós bariátricos que podem não responder a reposição de ferro, vitamina B12 ou vitamina D, por exemplo. Ou seja, a via de escolha inicialmente sempre deve ser a via oral, seja através da alimentação, seja através da suplementação nos casos das deficiências nutricionais. 

Recentemente, a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) publicou nota de esclarecimento sobre a administração de soroterapia e o novo coronavírus onde esclarece que não faz parte de seus roll de procedimentos a administração de soroterapia endovenosa para a prevenção de doenças infectocontagiosas, bem como, não há nenhuma evidência científica de que a infusão de soros, com qualquer dose de vitaminas, minerais, aminoácidos, antioxidantes ou outros nutrientes, tenha efeito preventivo contra o novo Coronavírus. 

https://abran.org.br/2020/03/16/nota-de-esclarecimento-relacao-entre-a-administracao-de-soroterapia-e-o-coronavirus/

Autores:
Dr. Frederico Lobo - CRM-GO 13192 | RQE 11915 - Médico Nutrólogo. Idealizador do movimento Nutrologia Brasil. @drfredericolobo 
Dra. Karoline Calfa - Médica Nutróloga e com área de atuação em parenteral e enteral. Conselheira do CRM-ES. 
@karol.calfa 
Dr. Pedro Dal Bello -  Nutrólogo e Oncologista clínico.  @pedrodalbello
Dr. Rafael Iazetti - Médico Nutrólogo e professor da pós-graduação de Nutrologia do Hospital Albert Einstein. @rafael_iazetti 

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Wrap de couve com carne

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Wrap de couve com carne
.
👨🏻‍🍳Pessoal, outra dica muito boa para lanche são esses wraps de couve recheados com carne. Capricha no tempero que é sucesso!
.
Receita:
.
✔️Lave bem as folhas de couve;
✔️Retire o talo mais grosso sem separar a folha completamente;
✔️Passe rapidamente na água fervente para dar uma amolecida;
✔️Abra a folha de couve sobre uma superfície lisa e recheie;
✔️para estes usei o recheio de carne moída, cebola, cenoura e tomate temperados com sal, pimenta do reino, chimichurri e alho;
✔️feche a folha de couve apertando bem o recheio e deixe a parte das pontas para baixo para não soltar;
✔️Pincele azeite temperado com sal e pimenta do reino sobre os wraps
.
.
.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Mousse levíssima de queijo versões tomate seco, azeitona preta e gorgonzola

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu

Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Mousse de queijo versões tomate seco, azeitona preta e gorgonzola
.
👨🏻‍🍳Pessoal, a receita da mousse de queijo que deixei aqui foi um sucesso. Na ocasião falei para vocês que dava para variar o sabor, então fiz essas três variedades para mostrar como fica. Uma melhor que a outra 😋
.
Receita:
.
✔️Coloque no liquidificador metade de um queijo fresco picado (usei @produtoscoralina)
✔️Adicione uma caixinha de creme de leite;
✔️Um frasco pequeno (250g) de maionese;
✔️Bata até ficar uma mistura homogênea;
♦️Se ficar difícil de bater, acrescentar um pouquinho de leite.
✔️Pode adicionar sal e pimenta do reino à gosto;
✔️Adicione um pacote de gelatina incolor sem sabor já preparada conforme indicado pelo fabricante;
♦️Essa é a base da receita. Pode untar uma forma com azeite e ervas secas, despeje a massa e leve à geladeira até endurecer. Depois só desenformar, regar com bastante azeite, Salpicar ervas secas (uso chimichurri) e servir.
💡Para essa versão, separei um pouquinho da massa e bati com tomate seco, outra parte bati com azeitonas pretas e a outra com queijo gorgonzola.
✔️Depois só colocar nas forminhas untadas com azeite e levar à geladeira até firmar. 💡A quantidade é à gosto, fui provando pra chegar no sabor que eu queria.
♦️Você pode bater com salsinha, coentro, manjericão, pasta de alho e o que sua imaginação deixar... 💡Pode fazer uma forma única tipo pudim ou em recipientes menores.
.
.
.
.

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Ghee - Manteiga clarificada


Receita elaborada por uma grande amiga de longa data, a professora de Yoga Claudia Sabbag. Vale a pena se inscrever no canal dela. Sempre postando receitas com comida de verdade, nutritivas e saborosas.


Ingredientes
200g de manteiga
(Recomendo usar manteiga sem sal)

Preparo:
Corte a manteiga em cubos
Coloque em panela inox
Use a técnica de quase desligar o fogo para obter a chama mais baixa possível, se precisar (mostrada no vídeo).
Deixe a manteiga derreter e começar a criar uma espuma.
Retire gradativamente a espuma usando uma colher. A espuma contém lactose e caseína.
Uma parte escura vai se depositar no fundo, isso é normal.
Quando a manteiga parar com o chiado, aguarde por mais 10 minutos, retirando a parte final da espuma.
Use uma peneira de malha fina apropriada (ferro ou tecido), evite o plástico.
Coe a manteiga em um recipiente.
Armazene na geladeira para endurecer.
Após isso, você pode mantê-la fora da geladeira por até 2 meses sem problemas.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Médicos que estão atendendo via Telemedicina

Em decorrência da pandemia, o conselho Federal de Medicina liberou o uso da Telemedicina na tentativa de facilitar o atendimento médico em todo país e com isso evitar a disseminação do novo coronavírus.

Eu não consegui me adaptar à Telemedicina, talvez por que dependo muito de exame físico e preciso coletar dados antropométricos. Ou seja, Telemedicina não é pra mim. Mas tenho vários colegas que estão atendendo por Telemedicina. Abaixo uma lista com os principais. São Profissionais capacitados e que confio.

Profissionais Médicos que estão atendendo por Telemedicina

Dra. Amanda Weberling – Médica Nutróloga em Vitória
Email: dra.amandaweberling@gmail.com
Fone para agendamento: (27) 99716-2404

Dra. Natalia Jatene – Médica Endocrinologista em Goiânia
Fone para agendamento: (62) 3281-7799 | (62) 98326-2012

Dr. Thiago Calzada – Médico Neurologista em Curitiba/Goiânia
Fone para agendamento: (62) 99994-7826

Dr. Sávio Teixeira – Médico Psiquiatra em Goiânia
Fonte para agendamento: (62) 98598-7107

Dra. Diana Sá – Médica Endocrinologista em Brasília
dianasa@dianasa.com
Fone para agendamento: (61) 99964-0202


Dr. Juan Bernard – Médico Nutrólogo em Belo Horizonte
juan@imnutrologia.com.br
Fone para agendamento: (31)3565-7500

Dra.Juliany Luz – Médica de Família e Nutróloga em Florianópolis
Fone para agendamento: (48) 99151-3176
Dra. Patrícia Peixoto – Médica endocrinologista em Campos
peixotopcb@hotmail.com
Fone para agendamento (22) 999007668

Dr. Hélio Gonçalves – Médico Homeopata em Goiânia
Fone para agendamento: (62) 3941-2998

Dra. Juliana Lara – Médica generalista com foco principalmente em vegetarianos. Atende em São Paulo
Fonte para agendamento: (11) 997382-0509

Dr. Lúcio Vieira – Médico Endocrinologista no Rio de Janeiro
Fone para agendamento: (21) 99556-4047

Dr. Marcos Kano – Médico Psiquiatra em São José do Rio Preto
Fone para agendamento: (17) 3234-5076

Dr. Leandro Figueredo – Médico Nutrólogo em São Paulo
Fone para agendamento: (11) 98873-6696

Dr. Rafael Leal – Médico Nutrólogo em Brasília
leal.rafa@hotmail.com
Fone para agendamento: (61) 99406-9494

Dra Elza Daniel de Mello – Médica Nutróloga, Nutróloga Pediátrica e Gastropediatria em Porto Alegre
elzadmello@gmail.com
Fone para agendamento: (51) 99123-1965

Dra. Andrea Fernanda de Oliveira – Médica Nutróloga
dra.andreafernanda@gmail.com
Fone e whats para agendamento: (47) 99709-2987

Dr. Haroldo Falcão R. Cunha – Médico Nutrólogo – Medicina Intensiva / Nut. Parenteral e Enteral no Rio de Janeiro
www.facebook.com/drharoldofalcao
Fone para agendamento: (21) 97929-6611

Dra. Alessandra Bedin – Médica Nutróloga e Ginecologista / Obstetra em São Paulo
albedin@gmail.com
Fone para agendamento: (11) 99134-3654

Dra. Marília Zanier – Médica Endocrinologista em Goiânia
Agendamento pelo whatsapp: (62) 3251‑0973‬

Dr. Breno Coimbra – Médico generalista em Palmas
Fone para agendamento: (63) 99109-2790

Dra. Ana Valéria Ramirez - Medica Nutróloga em São José do Rio Prêto e São Paulo 
anaramirez@terra.com.br
Fone para agendamento: (17) 98815-0003

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Ricota caseira fácil

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Ricota caseira
.
👨🏻‍🍳Esse é um queijo super fácil de preparar. Pra mim, o melhor jeito de comer é como um patezinho, só amassado, temperado e regado com um bom azeite.
.
Receita:
.
✔️Ferva 2 litros de leite tipo A (saquinho)
✔️Coloque uma colher de chá de sal;
✔️Quando levantar fervura, junte o caldo de dois limões para talhar;
✔️Mexa e aguarde uns 5 minutos;
✔️Coe a mistura em um pano de prato bem limpo e esprema para sair o soro;
✔️Deixe envolvido no pano de prato (deixei dentro de um aro de metal para modelar);
✔️Deixe na geladeira por umas 2 horas e já está pronto.
✔️Para o patê, só amassar com o garfo, juntei limão, chimichurri e azeite.
♦️Dá pra fazer com leite longa vida (caixinha) também, mas rende menos e demora mais a talhar.
♦️Com leite direto da fazenda fica melhor ainda .

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Overnight oats

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu e nesse caso eu que ajudei a fazer a receita e a tirar a foto rs.



Overnight oats
.
👨🏻‍🍳 Já ouviu falar de overnight oats? Aveia de um dia para o outro em português, é o nome de uma preparação em camadas feita com aveia, iogurte, frutas e outros itens.
.
Receita: ♦️A receita base é : um cereal (aveia, flocos de milho, amaranto, …) + um líquido (leite, leite vegetal, iogurte) que você deixa hidratando durante a noite e no dia seguinte está pronto para ser consumido. Pode adicionar frutas diversas, castanhas, pasta de nuts, coco, compotas, geleias e o que sua imaginação mandar.
.
Vou deixar descrito como preparei esse da foto:
.
✔️Em um copo ou taça de sobremesa coloque 1/2 copo de iogurte natural;
✔️Coloquei um pouquinho de chia por cima;
✔️Distribua duas colheres de sopa de aveia em flocos;
✔️Coloque 03 colheres de sopa de leite misturado com uma colher de sopa de whey protein sabor neutro (opcional);
✔️Junte banana cortada em rodelas formando uma camada (usei banana prata)
✔️Coloque ameixa seca em pedaços
E novamente faça uma camada de banana em rodelas;
✔️Coloque a outra metade do iogurte natural;
✔️Junte cranberry e coco queimado ralado por cima.
✔️Cubra com plástico filma e deixe na geladeira de um dia para o outro.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Obesidade é uma doença crônica

Consenso da ABRAN sobre a alimentação láctea da criança A Obesidade é uma doença crônica, complexa e não transmissível (DCNT’s), podendo estar associada ao desenvolvimento de diabetes tipo 2, doenças do coração, pressão alta, artrite, apneia, câncer, derrame e problemas ósseos.

A obesidade é uma doença multifatorial, ou seja, com muitas causas, entre elas, fatores genéticos, comportamentais, culturais, fisiológicos, etc. Por isso, seu tratamento envolve várias frentes, que devem ser avaliadas individualmente por profissionais especialistas, como medicamentos, mudanças de estilo de vida e comportamentais, hábitos alimentares equilibrados, prática de exercício regular e cirurgia.

O ideal é manter sempre um acompanhamento multidisciplinar para um melhor resultado e controle da doença.

Para saber mais sobre Obesidade conheça o instagram da ONG: Instituto Obesidade Brasil @obesidadebrasil

No site há uma lista de vários serviços (SUS) de tratamento de Obesidade no Brasil. http://obesidadebrasil.ong.br/#locais-de-atendimento1-5 anos


quinta-feira, 30 de julho de 2020

Biscoito de Gergelim


Receita elaborada por uma grande amiga de longa data, a professora de Yoga Claudia Sabbag. Vale a pena se inscrever no canal dela. Sempre postando receitas com comida de verdade, nutritivas e saborosas.


Ingredientes

- 2 xícaras polvilho azedo
- 1 xícara de farinha de gergelim branco
- 4 colheres de sopa de azeite
- 1 xícara e 1/4 de água
- 1 colher de sobremesa de Erva Doce
- 1 colher rasa de chá de sal
- 2 ovos

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Requeijão cremoso caseiro

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Requeijão cremoso caseiro
.
👨🏻‍🍳Lembra da receita da ricota? Para fazer este requeijão a base é a mesma, a diferença é que batemos o queijo com um pouco do soro e manteiga até ficar cremoso.
.
Receita:
.
✔️Ferva 1 litro de leite tipo A (saquinho)
✔️Quando levantar fervura, junte o caldo de três limões para talhar;
✔️Mexa e aguarde uns 5 minutos;
✔️Coe a massa e reserve o soro;
✔️Tempere a massa com sal à gosto;
✔️Coloque a massa no Mixer ou liquidificador e acrescente uma colher de sopa de manteiga;
✔️Junte meia xícara de chá do soro e bata até ficar cremoso (na geladeira ele endurece mais)
✔️Passe para um potinho e deixe na geladeira por até 4 dias.
♦️Dá pra fazer com leite longa vida (caixinha) também, mas rende menos e demora mais a talhar.
♦️Com leite direto da fazenda fica melhor ainda .

sexta-feira, 24 de julho de 2020

Check-list no processo de emagrecimento

Então bora fazer um check list no processo de emagrecimento? Checar item por item e tentar descobrir onde está um possível interferente no processo. É assim que todo nutrólogo deveria agir e não apenas culpar o paciente. É assim que tento fazer nos meus atendimentos. Esse Check-list que elaborei com auxílio do meu nutricionista (Rodrigo Lamonier) é muito útil. Na verdade essa é parte do check-list, há outras variáveis que checamos.

Culpar o paciente é fácil. Identificar os erros e tentar mudá-los é que é difícil. 

Tratamento de emagrecimento exige empatia. A falta de empatia é que tem tirado pacientes com sobrepeso e obesos de Nutricionistas e Endocrinologistas e levado-os a procurar Nutrólogos.



segunda-feira, 20 de julho de 2020

Salada fresca com penne integral e frango

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Salada fresca com penne integral e frango

👨🏻‍🍳 Eu sou fã de uma boa salada. Permitem uma variedade de ingredientes e molhos, e assim, com penne e frango se transforma em uma refeição completa. Vou te contar os segredos para deixar essa salada super apetitosa e arrancar elogios à mesa. Vamos lá?
.
.
Receita:
.
✔️Comece lavando vem as folhas. Usei alface roxa, alface mimosa e rúcula baby. (Pode usar as folhas que vc tenha em casa, mas sugiro não deixar a rúcula de fora. Dá um gostinho muito saboroso e combina super bem com nosso molho).
.
✔️ Após lavar, é preciso secar bem as folhas para não ficar aquela salada molhada demais e também para grudar o molho. Vale secadora, de salada, escorredor ou até como eu fiz: deixar secando espalhadas sobre pano de prato limpo e seco.
.
✔️Lave também tomate cereja à gosto e reserve.
.
✔️Já é hora de preparar o frango. Tempere os filés de frango com alho, sal, pimenta do reino, limão e páprica (opcional, mas dá uma cor linda e um gostinho delicioso). Refogue com um pouquinho de azeite e manteiga até ficar bem dourados. Junte também uma cebola bem picadinha e vai pingando água as vezes para não grudar e queimar no fundo. Retire da panela, fatie em tiras médias e reserve.
.
✔️Coloque o macarrão integral para cozinhar em água abundante e com sal. Enquanto isso é hora de preparar o molho.
.
✔️O molho que escolhi foi o de iogurte natural. A proporção é a seguinte: 01 copo de iogurte natural, 04 colheres de azeite e suco de meio limão. Tempere com sal e pimenta do reino à gosto, dois dentes de alho bem amassados, cebolinha e salsinha à gosto. Misture bem.
.
✔️Quando o macarrão estiver cozido, escorra e passe em água corrente para parar o cozimento.
.
✔️Na mesma panela que refogou o frango, junte o macarrão e o frango em tiras para incorporar o sabor do molho que restou, se necessário coloque mais um pouquinho de azeite, sal, misture rapidamente e desligue. (Esta é uma salada morna)
.
✔️ Montagem da salada: misture as folhas rasgadas grosseiramente, os tomates cereja, o macarrão com frango e o molho de iogurte (reserve uma parte do molho para servir à mesa). Misture bem e coloque mix de gergelim por cima

sexta-feira, 17 de julho de 2020

quinta-feira, 16 de julho de 2020

Biscoito de Amendoim Lowcarb - Fácil para fazer com as Crianças


Receita elaborada por uma grande amiga de longa data, a professora de Yoga Claudia Sabbag. Vale a pena se inscrever no canal dela. Sempre postando receitas com comida de verdade, nutritivas e saborosas.


Ingredientes

500g de amendoim cru triturado com casca
3 ovos
1/2 xícara de xilitol
1 colher rasa de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento químico para bolo
2 colheres de sopa de cacau
20 gotas de Estévia

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Pão de microondas sem farinha de trigo

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Pão de microondas sem farinha de trigo
.
👨🏻‍🍳Dica de lanche rápido e saudável, sem abrir mão do sabor. Da pra variar o recheio de muitas formas.
.
Receita: ✔️1 clara, 1 colher de sopa de iogurte desnatado, 2 colheres de sopa de farelo de aveia, 1 colher de café de fermento em pó. Misture todos os ingredientes em um bowl, coloque a massa em um recipiente que possa ir ao microondas e asse por 2 a 3 minutos. Para o recheio usei: ricota, peito de peru, alface e tomate cereja.

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Como evitar o ganho de peso na quarentena e fazer dela um momento menos doloroso



Estamos vivendo a maior crise sanitária do século. A Pandemia do novo coronavírus confinou milhões de pessoas em seus lares e isso obviamente afetaria a nossa saúde em todos os seus âmbitos (mental e físico).

Se por um lado vemos uma explosão do número de casos de Transtorno de Ansiedade Generalizada, Depressão, Pânico e descompensação de outras psicopatologias. Nós da Nutrologia vimos uma ascensão do peso de vários dos nossos pacientes. 


De Abril até Julho contabilizei que cerca de 80% dos pacientes atendidos no ambulatório de Nutrologia no SUS apresentaram ou ganho de peso ou manutenção do peso, comparado a antes da pandemia. 

Mas, por que isso está acontecendo ?

Uma pandemia no qual a doença tem alta transmissibilidade e uma mortalidade de até 7% em alguns locais, dificilmente não afetaria o nosso psicológico. 

Razão 1: Foi abrupto

Não tivemos tempo para se adaptar à quarentena. Quando vimos, a maioria das cidades entraram em quarentena e aqui em Goiás foi bem precoce, começo de Abril já estávamos confinados. 

Razão 2: Consequências psicológicas

O início ter sido abrupto, gerou consequências psicológicas. Aumento de sintomas ansiosos, apreensão com relação ao futuro, medo da escassez, medo de uma crise econômica que seria e é inevitável. Tudo isso abala o nosso psicológico, é desconfortável e quando somos submetidos a esse tipo de estresse temos escapes.

Razão 3: O estresse combinado à ociosidade como gatilho para maior ingestão alimentar

Sabidamente, muitas pessoas diante de situação estressante reagem com aumento do apetite. Umas perdem, mas uma boa parcela tem aumento do apetite. Um aumento de cortisol bem como de adrenalina pode levar a alterações no centro da fome e da saciedade. O Cortisol reduz a lipólise (quebra da gordura), aumenta a proteólise (quebra de proteínas). Piora o controle glicêmico e pressórico. Reduz os níveis de serotonina, dopamina, beta-endorfinas e testosterona. Pode levar a alterações no sono e transtornos do humor. A persistência dessa elevação do cortisol, consequentemente pode favorecer o ganho de peso. Não é incomum atendermos pacientes que por mais que sigam o plano alimentar à risca (além de atividade física), quando submetidos a situações estressantes relatam que o peso não decai ou mantém-se estagnado. E quando utilizamos ansiolíticos o peso volta a decair. 

A ociosidade é um outro fator que tenho visto como facilitador para o ganho de peso. O indivíduo que antes acordava, pegava o trânsito, trabalhava, depois almoçava, voltava pro trabalho, pegava filhos na escola, preparava jantar e ia dormir quase 00:00, se viu obrigado a ficar confinado em casa, sentado no sofá ou trabalhando em "home-office". A combinação de ociosidade, sofá, ansiedade, apreensão com relação ao futuro e medo não teria outro destino que não fosse o abre e fecha da geladeira. Para alguns o abre e fecha dos apps de entrega de comida. 

Os nossos neurotransmissores são formados à partir de aminoácidos, em especial triptofano, fenilalanina, tirosina, glicina, acido glutâmico. Tendo como co-fatores para a sua síntese minerais e vitaminas. Quando se come, nos sentimos bem, por favores mecanismos que envolvem a percepção do sabor, inibição do centro da fome, ativação de peptídeos que ativarão a saciedade, sensação de prazer por produção de endorfinas e também maior entrada tardiamente de aminoácidos no cérebro, para a produção de neurotransmissores como dopamina e serotonina. Logo, forma-se um sistema que gera boas sensações e pelo menos momentaneamente reduz a ansiedade. 

Razão 4: Piora da pandemia do sedentarismo

Se a humanidade estava cada vez mais sedentária, ou seja, se já existia a pandemia de sedentarismo, com a pandemia do novo coronavirus isso só se agravou com o confinamento. Academias foram fechadas, lockdown em algumas regiões, medo de contágio, distanciamento social e um movimento: "FiqueEmCasa. Com isso o nosso gasto energético reduziu, combinado com um maior aporte calórico.

Resumindo: Medo + Ansiedade + Ociosidade + Sedentarismo + Maior oferta calórica + Piora do sono = Ganho de peso.

Mas há solução ? 

Primeiramente, o que tenho falado para os meus pacientes é: Vivemos um momento único em nossa existência, delicado e temos que ter compaixão com nós mesmos. Não se cobrar tanto. 

Não é o fim do mundo, ter ganhado alguns kilos. O mundo não vai acabar por conta desse ganho. Tudo isso passará e acredito que em alguns meses voltaremos a ter academias abertas, liberdade de ir e vir, locais com opções mais saudáveis para se comer. 

Soluções que na minha opinião podem ser úteis.

Sedentarismo

Estar em casa não é e nem nunca será desculpa para não praticar atividade física. Com a pandemia acabei descobrindo que existem inúmeros profissionais da educação física que criam treinos para se fazer em casa. Treinos aeróbicos e de força. E o melhor, eles vendem essas assessoria online. Mas se você não quer pagar, tem também no YouTube e Apps. Apenas digo: cuidado com as articulações na hora de executar os movimentos. 

Ociosidade

Aproveite seu tempo livre para realizar outras atividades que geram prazer (que não seja comer):

  1. Ler aquele livro que há tempos você estava planejando
  2. Assistir séries e documentários
  3. Assistir vídeos no YouTube
  4. Fazer cursos online (gratuitos ou lives)
  5. Assistir live de cantores, de profissionais etç
  6. Arrumar a casa e doar o que não é mais útil para você
  7. Conversar com amigos
  8. Ouvir músicas
  9. Cantar suas musicas prediletas
  10. Montar playlist
  11. Fazer artesanatos
  12. Fazer origamis
  13. Pintar, desenhar
  14. Estudar
  15. Cuidar de plantas
  16. Brincar com seus filhos
  17. Auxiliar os filhos nas tarefas escolares
  18. Brincar com seus animais
  19. Meditar
  20. Orar
  21. Contemplar a natureza
  22. Redecorar a casa
  23. Planejar viagens e coisas que você quer fazer quando tudo isso passar
  24. Escolhas alimentares

Há diversos Nutrólogos e Nutricionistas que estão atendendo online (essa modalidade foi permitida pelo Conselho Federal de Medicina e pelo de Nutrição, durante a pandemia). Ou seja, dá para se ter uma supervisão à distância. 

Não é porque estamos de quarentena que temos a obrigação de comer apenas alimentos altamente palatáveis. Devemos prezar pelo sabor, mas também levar em conta a densidade calórica da refeição (alimentos gordurosos e ricos em açúcar são mais calóricos), a densidade nutricional (a quantidade de nutrientes na refeição) e o quanto aquela refeição é capaz de te saciar. 

Tenho visto vários pacientes deixando de comer hortaliças na quarentena por conta da proibição de feiras livres. Dica: supermercados estão abertos. Proteja-se e vá as compras. Uma pequena listinha de hortaliças que você pode comprar, armazenar na sua geladeira e fazer deliciosas receitas:

Esta é uma Lista de hortaliças  que entrego sempre para os meus pacientes:
Abóbora
Abobrinha
Acelga
Agrião
Aipo (ou salsão)
Alcachofra
Alface
Alfafa
Almeirão
Aspargo
Alho
Alho poró (Allium porrum)
Berinjela
Bertalha (Basella rubra)
Brócolis
Cebola
Cebola-roxa
Chicória
Chuchu (Sechium edule)
Couve
Couve-de-bruxelas
Couve-flor
Endívia
Espinafre
Feijão e ervilha
Brotos de feijão
Fava
Lentilha
Feijão
Grão de bico
Soja
Vagem
Jiló
Maxixe
Milho
Pepino
Pimentão
Pimenta
Quiabo
Ora-pro-nóbis
Batata inglesa
Batata-doce
Beterraba
Cenoura
Gengibre
Inhame
Mandioca ou aipim (Manihot esculenta)
Mandioquinha ou batata-baroa
Nabo
Rabanete
Repolho
Rúcula
Tomate

Lembre-se de ter uma quantidade adequada de proteínas em todas as refeições. Elas promovem maior saciedade e ajudam a evitar a perda de músculos.

Está com dificuldade de consumir saladas? Talvez o problema seja os molhos que não estão gostosos. Há inúmeras receitas de molhos na internet, se você não encontrar, pode me pedir que envio. Tenho um grande acervo com mais de 1500 receitas de refeições.

Lembre-se que não é crime ingerir sobremesas e até mesmo alimentos industrializados ou demonizados por alguns profissionais. Tudo é questão de:

  1. Frequência
  2. Quantidade
  3. Contexto 
  4. E se você possui alguma particularidade (doenças).

Tente seguir o plano alimentar a maior parte do tempo e se "escorregar' lembre-se que isso é normal, só não pode tornar-se um hábito. No meu e-book de Mindfull eating, friso muito que o meu paciente pode cair várias vezes, mas caiu deve levantar e sem se culpar. 

Como disse acima, vivemos a maior crise sanitária dos últimos tempos e você vai se alimentar com culpa ? Culpa não serve para nada, não tem função. 

Planejamento

Que tal começar a lista de coisas para fazer na quarentena de maneira organizada?  Casou de não fazer nada e quer começar a produzir ? Está se culpando pelo seu ócio ?

Culpa não serve para nada, já disse ali em cima. Cada um tem seu tempo. Você não tem obrigatoriedade de ser hiper produtivo (a) durante a pandemia. Mas se a ociosidade está te incomodando, bora planejar algo. 

Quando colocamos no papel o que queremos fazer, tiramos do mundo das idéias e transformamos em algo material: palavras escritas. Portanto: liste o que você pretende fazer. 

Se você se planejar, dá para você cumprir com as responsabilidades diárias, ter um tempinho para se distrair e divertir na quarentena. É a melhor forma de aproveitar o tempo e minimizar o sofrimento pelo qual estamos passando. 

É claro que você não precisa cronometrar quanto tempo fará cada atividade, mas é interessante organizar a rotina para distribuir melhor a lista de coisas para fazer na quarentena.

Autor: Dr. Frederico Lobo - Médico Nutrólogo - CRM-GO 13192 | RQE 11915

Se você gostou desse texto, compartilhe-o com amigos e familiares. Aproveite e siga-me nas minhas redes sociais:
Facebook: Dr. Frederico Lobo
Instagram: @drfredericolobo
YouTube: Dr. Frederico Lobo