terça-feira, 2 de novembro de 2021

(Conteúdo para Médicos e Nutricionistas) - Asma - Como a Nutrição pode te auxiliar ? Por Prof. Valentim Magalhães

A asma é uma doença crônica comum, caracterizada por inflamação das vias aéreas, o que pode levar a períodos de obstrução ao fluxo de ar. Além do tratamento medicamentoso, existem medidas de controle ambiental (por exemplo, regulação da umidade, aspirar o ambiente e controle de pragas) que podem reduzir as exacerbações da doença. 

A alimentação também pode ser uma intervenção coadjuvante de impacto positivo. Por exemplo, análises epidemiológicas sugerem que o maior consumo de frutas e vegetais podem reduzir o risco de desenvolver asma, assim como controlar o curso da doença.

Um ensaio clínico randomizado de duas semanas revelou uma melhora clínica significativa da asma em indivíduos que receberam dieta com ≥5 porções de vegetais e 2 porções de frutas por dia, em comparação a dieta com ≤2 porções de vegetais e 1 porção de fruta por dia.

Por outro lado, a ingestão de lacticínios tem sido associada a exacerbação da asma. Em um estudo piloto, uma dieta sem leite e ovos por 8 semanas melhorou em 22% a taxa de fluxo expiratório de pico, enquanto as crianças que seguiram suas dietas normais experimentaram uma redução de 0,6% (P<0,05 entre grupos). Os estudos ainda são limitados e, portanto, a escolha dessa estratégia deve ser individual, analisando intolerâncias, riscos/benefícios e resposta clínica.

Em relação aos padrões dietéticos, a alimentação com caráter mediterrâneo e/ou plant-based é recomendada para reduzir o risco de desenvolvimento e exacerbação da asma, devido a sua capacidade anti-inflamatória. Diversos estudos apoiaram a ideia de que a maior ingestão de vegetais e menor de alimentos de origem animal se relaciona, de forma estatisticamente significativa, a menor gravidade da doença.

Mais especificamente, o aumento da ingestão de antioxidantes, fibras e ácidos graxos poli-insaturados diminui as respostas inflamatórias nas vias aéreas e, consequentemente, o quadro da asma.

Em um ensaio clínico recente, a dieta DASH por 6 meses reduziu os marcadores pró-inflamatórios associados a asma (P <0,05), corroborando que mudanças na dieta podem ter efeitos benéficos na asma.


Referências:
1. Alwarith, J., Kahleova, H., Crosby, L., Brooks, A., Brandon, L., Levin, S. M., & Barnard, N. D. (2020). The role of nutrition in asthma prevention and treatment. Nutrition Reviews, 78(11), 928–938. https://doi.org/10.1093/nutrit/nuaa005
2. Nygaard, U. C., Xiao, L., Nadeau, K. C., Hew, K. M., Lv, N., Camargo, C. A., … Ma, J. (2021). Improved diet quality is associated with decreased concentrations of inflammatory markers in adults with uncontrolled asthma. (9), 1–16.
3. Wood LG, Garg ML, Smart JM, Scott HA, Barker D, Gibson PG. Manipulating antioxidant intake in asthma: a randomized controlled trial. Am J Clin Nutr. 2012 Sep;96(3):534-43. doi: 10.3945/ajcn.111.032623. Epub 2012 Aug 1. PMID: 22854412.
4. Yusoff NA, Hampton SM, Dickerson JW, Morgan JB. The effects of exclusion of dietary egg and milk in the management of asthmatic children: a pilot study. J R Soc Promot Health. 2004 Mar;124(2):74-80. doi: 10.1177/146642400412400211. PMID: 15067979.

Autor: Prof. Valentim Magalhães

Nenhum comentário:

Postar um comentário