quarta-feira, 6 de outubro de 2021

(Conteúdo para Médicos) Emagrecimento pode ajudar os adultos a alcançarem a remissão do diabetes tipo 2, independentemente do IMC

Adultos com peso normal e diabetes tipo 2 podem conseguir remissão do diabetes com perda de peso, de acordo com dados apresentados na reunião virtual da Associação Europeia para o Estudo do Diabetes.

Em uma análise dos dados do estudo ReTUNE, dois terços dos adultos com diabetes e um IMC inferior a 27 kg/m2 conseguiram alcançar a remissão do diabetes após participar de uma intervenção para perda de peso. A proporção foi semelhante à de estudos anteriores analisando a remissão do diabetes com perda de peso para pessoas com sobrepeso ou obesidade. Além disso, a coorte do estudo teve alterações fisiopatológicas semelhantes durante a remissão, como estudos anteriores mostraram para pessoas com sobrepeso e obesidade.

Muitas pessoas presumem que o diabetes tipo 2 é uma doença da obesidade ”, disse ao Healio Roy Taylor, MD, professor de medicina e metabolismo da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.  “Mas agora que sabemos exatamente o que causa a doença - um pequeno excesso de gordura armazenada no fígado e no pâncreas - podemos perguntar se a causa é a mesma em pessoas que têm diabetes tipo 2, mas não estão acima do peso. O resultado final é que todos têm um limite de gordura pessoal e, se esse limite for excedido, pode ocorrer diabetes.  

Algumas pessoas têm um limiar muito baixo e, portanto, podem desenvolver diabetes tipo 2 com apenas alguns quilos de ganho de peso. Agora mostramos a partir desses resultados preliminares que isso pode ser colocado em remissão com a perda de peso.”

• HbA1c mais baixo, glicose após perda de peso

No ReTUNE, pesquisadores analisaram dados de 12 adultos com diabetes tipo 2 e peso normal (idade média, 58,3 anos; IMC médio, 24,5 kg/m2). A coorte foi pareada por idade, sexo e IMC com um grupo controle sem diabetes. O grupo com diabetes foi inscrito em um programa de perda de peso no qual consumiu 800 kcal por dia durante 2 semanas, seguido de 4 a 6 semanas de suporte para manter o novo peso. Os participantes completaram até três rodadas do ciclo de dieta e manutenção de peso até perderem 10% a 15% do peso corporal. A gordura intraorgânica foi medida por ressonância magnética Dixon de 3 pontos. A remissão do diabetes foi definida como ter uma HbA1c inferior a 48 mmol/mol, ou 6,5%, sem medicação.

A glicemia média de jejum diminuiu de 7,3 mmol/L no início para 6,3 mmol/L após a perda de peso, e a HbA1c média caiu de 53,8 mmol/mol (7,1%) para 48 mmol/mol (6,5%). A insulina plasmática em jejum caiu de 52,2 pmol/L no início do estudo para 23,7 pmol/L após perda de peso (P = 0,007). Os participantes também reduziram a gordura corporal total desde o início até o pós-intervenção (33,1% vs. 27,4%; P < 0,001) e tiveram uma diminuição nos triglicérides plasmáticos (1,6 mmol/L a 1 mmol/L; P = 0,002). Nenhuma alteração foi observada em ácidos graxos não esterificados.

• Mecanismos por trás da remissão do diabetes

A coorte de diabetes tipo 2 tinha mais do dobro de gordura hepática no início do estudo do grupo controle (4,4% vs. 1,9%; P = 0,02). Após a intervenção, a gordura hepática no grupo diabetes caiu para uma média de 1,4%. Da mesma forma, o grupo intervenção teve uma redução na gordura do pâncreas de 5,1% no início para 4,5% após a perda de peso, mais próxima da gordura média do pâncreas do grupo controle de 3,4%. Dos 12 participantes da intervenção, oito alcançaram remissão do diabetes. Taylor disse que as reduções na gordura do fígado e do pâncreas permitiram que a função normal desses órgãos retornasse e permitiram que a maior parte da coorte do estudo alcançasse a remissão.

“No fígado, o excesso de gordura impede que a insulina funcione corretamente e os níveis de açúcar no sangue são aumentados”, disse Taylor. “No pâncreas, o excesso de gordura faz com que as células produtoras de insulina não sejam capazes de aumentar a produção após as refeições, então os níveis de açúcar sobem para níveis muito altos.”

Taylor disse que os achados revelam como a perda de peso pode ser uma ferramenta de intervenção crítica para pessoas com diabetes tipo 2.

“Médicos e enfermeiros precisam saber que qualquer pessoa com diabetes tipo 2 precisa perder peso, mesmo que tenha um IMC na faixa normal”, disse Taylor. 

“Compartilhar é se importar”
Instagram:@dr.albertodiasfilho
EndoNews: Lifelong Learning
Inciativa premiada no Prêmio Euro - Inovação na Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário