segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Espaguete de cenoura e abobrinha verde com carne moída .

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu



Espaguete de cenoura e abobrinha verde com carne moída

👨🏻‍🍳Esse é uma clássico das receitas fitness, leva o nome de espaguete só pelo formato alongado mesmo. O fato é que a combinação de cenoura e abobrinha verde refogadas fica uma delícia. Com carne moída então, é melhor ainda. Vou te contar os segredos desta receita. Anota aí:
.
Receita:
.
✔️Com ajuda de um ralador, rale os legumes no sentido longitudinal, fazendo tiras longas;
✔️Tempere com sal e pimenta do reino;
✔️Deixe uma frigideira bem aquecida, e refogue aos poucos a cenoura e depois a abobrinha;
✔️Não precisa mexer muito, é só o tempo de murcharem. Se deixar demais fica muito mole e com aspecto grudado e não fica legal;
✔️ Faça o mesmo processo com a abobrinha;
✔️Quando já estiverem refogadas, misture as duas em uma panela e adicione carne moída já preparada com molho de tomate .
.
.
.
.

31 de Agosto - Dia do Nutricionista



Parabéns a todos os Nutricionistas pelo seu dia.

Especialmente para aqueles que exercem uma Nutrição com amor, acolhimento e conseguem trabalhar de forma harmônica com Nutrólogos. Minha gratidão a todos os nutricionistas que trabalharam e trabalham comigo.
@carolmoraisnut minha eterna ex-sócia e que me ensinou muito do que sei.
@moreira.isis minha afilhada que virou uma águia gigante ao seguir as batidas do próprio coração.
@rodrigolamoniernutri meu afilhado que virou meu braço direito e não me vejo mais exercendo a Nutrologia sem ele, lado a lado na consulta. 
@franciele.martins17 minha nutri no ambulatório de Nutrologia no SUS, que divide comigo as dificuldades de se praticar nutrição e nutrologia na saúde pública. 

E a todos aqueles que passaram e ainda passam pela minha vida. 

Atenção: o Parabéns não se estende aos Nutricionistas que desencadeiam transtornos alimentares/psiquiátricos em seus pacientes.Nem a aqueles que ficam ferindo o código de ética. Que exibem paciente como troféu, que prescrevem medicamentos e postam foto de antes e depois.

Nutricionista tem que trabalhar em prol da vida, da saúde, da cura.

Atletas e médicos ganham guia elaborado por entidades médicas e esportivas e que ajuda a prevenir casos de doping

 Atletas e médicos ganham guia elaborado por entidades médicas e esportivas e que ajuda a prevenir casos de doping


                                             

Os médicos e atletas brasileiros podem contar a partir desta sexta-feira (11) com um guia prático, com orientações objetivas, sobre os riscos do doping causado pelo uso de medicamentos e suplementos. O documento de 72 páginas foi produzido pela Câmara Técnica de Medicina do Esporte do Conselho Federal de Medicina (CFM) e contou com a contribuição de especialistas da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBMEE), do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

Clique aqui http://portal.cfm.org.br/images/PDF/medicina_esporte.pdf para baixar o documento.

Além do lançamento do guia, que acontece hoje durante o IV Fórum de Medicina do Esporte, o Conselho Federal de Medicina e as outras entidades devem anunciar ainda um esforço conjunto para combater o doping. A intenção é conscientizar de um lado os competidores sobre os riscos do uso inadvertido de fórmulas e os médicos e os profissionais da saúde sobre os efeitos que determinados medicamentos podem gerar. Para o presidente do CFM, Carlos Vital, a expectativa é criar uma rede colaborativa de ética e boas práticas esportivas.

"Esperamos que essa cartilha sirva de apoio não só para os profissionais especializados no tema, mas para todos os interessados. Certamente será um subsídio importante, principalmente para o médico assistente de atletas e de praticantes de exercícios físicos, além dos próprios esportistas e suas equipes de apoio", afirmou.

Lacuna – O trabalho, que será encaminhado a todos os médicos brasileiros, em especial aqueles que atuam em áreas como ortopedia, traumatologia, cardiologia e endocrinologia, preenche uma importante lacuna. O texto traz informações sobre substâncias consideradas válidas, mas com consumo não liberado entre competidores por interferirem em seu desempenho e por provocarem ganho de força, velocidade ou resistência.

Os atletas profissionais ou de alta performance de todas as modalidades são os mais vulneráveis pela ingestão indevida desses produtos, pois são rotineiramente submetidos a testes de doping. Contudo, os praticantes de atividade física amadores também podem ser prejudicados, com o aumento do rigor na fiscalização de provas específicas para esse grupo. De acordo com Hésojy Gley Pereira Vital da Silva, do CPB e responsável pela elaboração do documento, a tendência é que as análises para identificar casos de dopagem passem ser comuns em eventos não profissionais.

Situação do Brasil – Segundo a ABCD, o doping é caracterizado pela utilização de substâncias ou métodos proibidos capazes de promover alterações físicas ou psíquicas que melhoram artificialmente o desempenho esportivo do atleta. No Brasil, o Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, criado em 2016, já puniu cerca de 30 atletas pelo uso de substâncias proibidas – alguns casos estão em grau de recurso. Ao todo, aproximadamente 70 processos tramitam na Corte.

Já o relatório mais recente publicado pela WADA (sigla em inglês da Agência Mundial Antidoping), também de 2016, dentre os 34 laboratórios certificados pela entidade espalhados em 29 países pelo mundo, o Brasil possui a 10ª menor média de Resultados Analíticos Adversos (AAF, na sigla em inglês), que são os casos onde foram identificadas substâncias proibidas nos exames de doping.

Das 9.465 amostras submetidas a exames de urina e sangue, 98 apresentaram resultados positivos (AAF), número que representa 1,04% do total das amostras. O número está abaixo da média mundial (1,60%), calculada a partir dos dados coletadas pelos 34 laboratórios certificados pela WADA. Cerca de 60% das amostras foram realizadas em competições oficiais e os outros 40%, fora de competições oficiais.

Além disso, outras 716 amostras foram coletadas para serem submetidas ao exame do Passaporte Biológico do Atleta (ABP), que analisa a saúde do atleta a partir de dados sanguíneos em busca de alterações. Com os avanços científicos e tecnológicos, o crescimento desse tipo de exame já é perceptível. Só no Brasil, os números saltaram de 101 coletas, em 2015, para 716 no ano seguinte.

Aumento de casos – Entre os anos de 2015 e 2016, houve um aumento expressivo do percentual de resultados positivos a nível mundial, saltando de 1,26% para 1,60%. Esse aumento, segundo aponta o próprio relatório da WADA, está diretamente ligado a inclusão do Meldonium entre as substâncias proibidas. O fármaco ficou mundialmente conhecido após a denúncia de doping da tenista russa Maria Sharapova.

Trata-se de uma substância usada para tratamento de pacientes com problemas cardíacos e normalmente é receitado para quem sofre de isquemia do coração, doenças neurodegenerativas, pulmonares e doenças do sistema imunológico. Dentre as 721 ocorrências de uso de substâncias classificadas como Moduladores Metabólicos e Hormonais, o Meldonium foi responsável por 71% dos casos.

Entre os atletas amadores, uma das substâncias mais comuns é a Eritropetina, um hormônio que eleva a produção de células vermelhas pelo sangue. Ao aumentar a capacidade de transporte de oxigênio pelo sangue, a substância, consequentemente, permite a produção de energia aeróbica e melhora o rendimento em provas longas e extenuantes.

O medicamento é indicado para doenças que afetam a produção de células vermelhas e o uso indevido pode acarretar em doenças como trombose, além de aumentar as chances de um infarto ou um Acidente Vascular Cerebral (AVC). O caso mais famoso de dopagem por Eritropetina é o do ciclista americano Lance Armstrong, que ficou conhecido por ter vencido o Tour de France sete vezes (de 1999 a 2005). Armstrong teve todos seus títulos cassados e perdeu todos os patrocínios.

Nas academias, por exemplo, as substâncias mais comuns são os esteroides anabolizantes, hormônios produzidos sinteticamente a fim de substituir a testosterona. Nomes como androsterona, dianabol e drostanolona são recorrentes nesse meio e, inclusive, de fácil acesso em farmácias convencionais ou nas de manipulação.

Em geral, os efeitos buscados são a perda de gordura e o aumento da massa muscular, mas os efeitos colaterais são diferentes em homens e mulheres. Nas mulheres, há o desenvolvimento de características masculinas como o engrossamento da voz, crescimento de pelos e aumento da força física, assim como perda de gordura e aumento da massa muscular. Já nos homens ocorre o inverso. Ao injetar hormônios extras, o corpo masculino entende que não precisa mais produzir e isso leva a um atrofiamento dos testículos.

Em 2007, durante os Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro, a nadadora brasileira Rebeca Gusmão foi acusada no exame antidoping por altas taxas de testosterona no corpo. Na época, a nadadora perdeu as quatro medalhas conquistadas na competição – dois ouros, uma prata e um bronze, além de ser banida do esporte olímpico.

Debate – Com a aproximação de um dos maiores eventos esportivos do Mundo, a Copa do Mundo de Futebol, o CFM, juntamente com entidades médicas e esportivas, promove nesta sexta-feira (11) o IV Fórum de Medicina do Esporte, em Brasília (DF), durante o qual será lançado o guia.

A expectativa é reacender as discussões sobre as regras básicas relacionadas ao doping e à suplementação alimentar nas modalidades de alta performance. Para o coordenador da Câmara Técnica de Medicina do Esporte do CFM, Emmanuel Fortes, muitos atletas são pegos em exames antidoping porque usaram medicamentos prescritos por médicos que não são do clube e não tinham conhecimento das substâncias proscritas no esporte. 

Segundo ele, o Brasil já esteve entre o grupo dos dez países com maior número de casos de doping registrados pela WADA, entidade esportiva internacional que fiscaliza o tema. "Hoje esse é um problema contra o qual as autoridades brasileiras estão mais atentas. No entanto, infelizmente o doping tem alcançado muitos adeptos no esporte amador, principalmente entre aqueles que buscam notoriedade nas redes sociais", lamentou.

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Brasil: Ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram em dez anos



Resumo: 
  1. A ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram em dez anos.
  2. A frequência de uso do açúcar pelas pessoas caiu de 90,8% para 85,4% em dez anos. No mesmo período, aumentou de 1,6% para 6,1% o percentual da população que não usa açúcar ou adoçante. Enquanto o uso de edulcorantes artificiais aumentou de 7,6% para 8,5%.
  3. O uso do sal adicionado em comidas prontas foi mencionado por 13,5% da população e era mais frequente em homens adultos (16,5%).
  4. O consumo da gordura saturada diminuiu entre homens, mulheres e todos os grupos de idade.
  5. O sódio foi ingerido acima do limite por 53,5% da população e o índice foi mais elevado em homens adultos (74,2%) e menor em mulheres idosas (25,8%).
  6. As dietas para emagrecimento foram mais frequentes nas mulheres adultas (9,4%).
  7. 19,2% das pessoas informaram o uso de pelo menos um suplemento alimentar no período de 30 dias anteriores à pesquisa.
O prato na mesa do brasileiro apresentou mudanças em dez anos que acabaram alterando o perfil de consumo de alguns nutrientes. Nesse período, a ingestão de gorduras saturadas e o consumo de fibras diminuíram. Outros hábitos na alimentação continuam bastante presentes no prato e no copo do brasileiro, como adicionar açúcar em bebidas e alimentos e colocar sal em preparações prontas. As informações são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil, publicada hoje (21) pelo IBGE.

Para o gerente da pesquisa, André Martins, esses dados dão um panorama a respeito da dieta brasileira. “Nossa alimentação ainda é baseada no feijão, arroz e carne, e isso é positivo, mas temos que melhorar o consumo de frutas e legumes e diminuir o açúcar e o sódio em excesso”, analisa o pesquisador.

O consumo de ácidos graxos saturados (gordura saturada) diminuiu no grupo dos homens e mulheres e nas três faixas etárias pesquisadas: adolescentes, adultos e idosos. A faixa de mulheres idosas apresentou a maior queda: a contribuição na alimentação passou de 10,2% para 9,3%. De acordo com a médica e consultora da pesquisa, Rosely Sichieri, essa redução é positiva e pode ser atribuída à redução no consumo de carne bovina apresentada no Brasil entre 2008 e 2018.

O conteúdo em fibra na dieta também caiu, em dez anos, em todas as faixas etárias e ambos os sexos, mas atingiu, principalmente, as mulheres com 60 anos ou mais, passando de 20,5g em 2008 para 15,6g em 2018 nessa faixa. Para a consultora, essa queda indica deterioração da qualidade da alimentação, e corresponde à diminuição do consumo de feijão, cuja frequência no prato caiu de 72,8% para 60% no período. “É um dos alimentos da dieta brasileira que proporciona grande parte das fibras alimentares”, explica Sichieri.

Mas a alta frequência de consumo de açúcar e sal ainda preocupa os especialistas. Para adoçar bebidas e comidas, 85,4% da população afirmou colocar açúcar. A frequência diminuiu (era de 90,8% em 2008), mas ainda é considerado alta. O maior consumo ficou entre os adolescentes, chegando a 93% em ambos os sexos, e o menor entre as mulheres com 60 anos ou mais (69,2%). Nesses dez anos, aumentou de 1,6% para 6,1% o percentual da população que afirma não adicionar nem açúcar nem adoçante. Já o uso de edulcorantes artificiais aumentou de 7,6% para 8,5%.

A contribuição percentual das proteínas, carboidratos e gorduras para a ingestão total de energia também se manteve estável, variando entre 53% e 57% para carboidratos, 28% e 30% para gorduras e 17% e 19% para proteínas, em ambos os gêneros.

O sal era adicionado em comidas prontas por 13,5% da população e era mais frequente em homens adultos (16,5%). O sódio foi ingerido acima do limite por 53,5% da população, índice mais elevado em homens adultos (74,2%) e menor em mulheres idosas (25,8%). “A pesquisa mostra que o brasileiro continua com níveis de consumo de sódio acima do limite tolerável, levando em considerações as recomendações médicas. É um ponto que temos que prestar atenção”, aponta Martins.

Mulheres lideram suplementação e dietas para emagrecer

A pesquisa também traz informações a respeito de suplementação e dietas restritivas para emagrecimento ou para tratamento de doenças e distúrbios. Segundo a POF, as dietas para emagrecimento foram mais frequentes nas mulheres adultas (9,4%), enquanto as restrições alimentares relacionadas às doenças crônicas ou distúrbios metabólicos como hipertensão e diabetes foram referidas por 26,8% das mulheres idosas e 19,1 % dos homens idosos.

Segundo a POF, 19,2% das pessoas informaram o uso de pelo menos um suplemento alimentar no período de 30 dias anteriores à pesquisa. Esse índice sobe para 41% entre as mulheres idosas, que informaram em maior proporção o uso de suplementos com cálcio (21,3%) e com vitaminas (19,5%).

Suplementos à base de proteínas e outros suplementos para atletas foram referidos por 1,7% da população geral, enquanto 13,9% informaram estar em restrição alimentar.

Uso de injetáveis na Nutrologia - Quando utilizar e aspectos éticos e legais

Recentemente, temos percebido uma confusão sobre o tema “terapia com injetáveis em Nutrologia”. Classicamente, na Nutrologia temos a Terapia Nutricional Parenteral que, de acordo com a Portaria 120/2009 (ANVISA), consiste em uma solução ou emulsão composta por carboidratos, lipídeos, aminoácidos, vitaminas e minerais destinada à administração intravenosa, para suprir as necessidades metabólicas e nutricionais de pacientes impossibilitados de alcançá-las pela via oral ou pela via enteral. Há indicações bem estabelecidas na literatura e é uma prática que salva vidas, devendo ser prescrita somente por médicos.

Atualmente, temos visto aplicação de aminoácidos, vitaminas, minerais e nutracêuticos por via intramuscular ou por via intravenosa, realizadas em consultórios. 

Isso é proibido? Não, se seguir as normativas da vigilância sanitária. 

Isso é área de atuação do nutrólogo? Sim, se tiver indicação com evidência científica, mas será considerado antiético se o médico exagerar no diagnóstico do paciente, praticando atos médicos desnecessários. Nesse caso, ele pode infringir os artigos 14 e 35 do Código de Ética Médica (CEM), citados a seguir:

Art. 14. [É vedado ao médico] Praticar ou indicar atos médicos desnecessários ou proibidos pela legislação vigente no País.

Art. 35. [É vedado ao médico] Exagerar a gravidade do diagnóstico ou do prognóstico, complicar a terapêutica ou exceder-se no número de visitas, consultas ou quaisquer outros procedimentos médicos.

Caso o paciente apresente alguma complicação decorrente do tratamento prescrito, o médico também pode responder por infração referente ao artigo 1º do CEM:

Art. 1º [É vedado ao médico] Causar dano ao paciente, por ação ou omissão, caracterizável como imperícia, imprudência ou negligência.

E quais seriam as situações em que se justifica a aplicação dessas substâncias por uma via que não seja a via oral? 

1º: se o trato grastrointestinal (TGI) não está funcionante, ou inacessível, ou com dificuldade absortiva, ou quando a demanda metabólica é superior a capacidade de tolerância do TGI: opta-se pela nutrição parenteral, plena ou suplementar.

Temos como exemplos pacientes portadores de síndrome do intestino curto, pacientes oncológicos com deficiência nutricional grave, portadores de doença inflamatória intestinal em atividade que não toleram dieta oral ou dieta enteral, dentre outras inúmeras condições clínicas e cirúrgicas. 

2º: situações de falhas no tratamento após tentativas de reposição de eletrólitos, vitaminas ou minerais por via oral ou por via enteral, como pacientes pós bariátricos que podem não responder a reposição de ferro, vitamina B12 ou vitamina D, por exemplo. Ou seja, a via de escolha inicialmente sempre deve ser a via oral, seja através da alimentação, seja através da suplementação nos casos das deficiências nutricionais. 

Recentemente, a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) publicou nota de esclarecimento sobre a administração de soroterapia e o novo coronavírus onde esclarece que não faz parte de seus roll de procedimentos a administração de soroterapia endovenosa para a prevenção de doenças infectocontagiosas, bem como, não há nenhuma evidência científica de que a infusão de soros, com qualquer dose de vitaminas, minerais, aminoácidos, antioxidantes ou outros nutrientes, tenha efeito preventivo contra o novo Coronavírus. 

https://abran.org.br/2020/03/16/nota-de-esclarecimento-relacao-entre-a-administracao-de-soroterapia-e-o-coronavirus/

Autores:
Dr. Frederico Lobo - CRM-GO 13192 | RQE 11915 - Médico Nutrólogo. Idealizador do movimento Nutrologia Brasil. @drfredericolobo 
Dra. Karoline Calfa - Médica Nutróloga e com área de atuação em parenteral e enteral. Conselheira do CRM-ES. 
@karol.calfa 
Dr. Pedro Dal Bello -  Nutrólogo e Oncologista clínico.  @pedrodalbello
Dr. Rafael Iazetti - Médico Nutrólogo e professor da pós-graduação de Nutrologia do Hospital Albert Einstein. @rafael_iazetti 

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Wrap de couve com carne

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Wrap de couve com carne
.
👨🏻‍🍳Pessoal, outra dica muito boa para lanche são esses wraps de couve recheados com carne. Capricha no tempero que é sucesso!
.
Receita:
.
✔️Lave bem as folhas de couve;
✔️Retire o talo mais grosso sem separar a folha completamente;
✔️Passe rapidamente na água fervente para dar uma amolecida;
✔️Abra a folha de couve sobre uma superfície lisa e recheie;
✔️para estes usei o recheio de carne moída, cebola, cenoura e tomate temperados com sal, pimenta do reino, chimichurri e alho;
✔️feche a folha de couve apertando bem o recheio e deixe a parte das pontas para baixo para não soltar;
✔️Pincele azeite temperado com sal e pimenta do reino sobre os wraps
.
.
.

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Mousse levíssima de queijo versões tomate seco, azeitona preta e gorgonzola

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu

Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Mousse de queijo versões tomate seco, azeitona preta e gorgonzola
.
👨🏻‍🍳Pessoal, a receita da mousse de queijo que deixei aqui foi um sucesso. Na ocasião falei para vocês que dava para variar o sabor, então fiz essas três variedades para mostrar como fica. Uma melhor que a outra 😋
.
Receita:
.
✔️Coloque no liquidificador metade de um queijo fresco picado (usei @produtoscoralina)
✔️Adicione uma caixinha de creme de leite;
✔️Um frasco pequeno (250g) de maionese;
✔️Bata até ficar uma mistura homogênea;
♦️Se ficar difícil de bater, acrescentar um pouquinho de leite.
✔️Pode adicionar sal e pimenta do reino à gosto;
✔️Adicione um pacote de gelatina incolor sem sabor já preparada conforme indicado pelo fabricante;
♦️Essa é a base da receita. Pode untar uma forma com azeite e ervas secas, despeje a massa e leve à geladeira até endurecer. Depois só desenformar, regar com bastante azeite, Salpicar ervas secas (uso chimichurri) e servir.
💡Para essa versão, separei um pouquinho da massa e bati com tomate seco, outra parte bati com azeitonas pretas e a outra com queijo gorgonzola.
✔️Depois só colocar nas forminhas untadas com azeite e levar à geladeira até firmar. 💡A quantidade é à gosto, fui provando pra chegar no sabor que eu queria.
♦️Você pode bater com salsinha, coentro, manjericão, pasta de alho e o que sua imaginação deixar... 💡Pode fazer uma forma única tipo pudim ou em recipientes menores.
.
.
.
.

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Ghee - Manteiga clarificada


Receita elaborada por uma grande amiga de longa data, a professora de Yoga Claudia Sabbag. Vale a pena se inscrever no canal dela. Sempre postando receitas com comida de verdade, nutritivas e saborosas.


Ingredientes
200g de manteiga
(Recomendo usar manteiga sem sal)

Preparo:
Corte a manteiga em cubos
Coloque em panela inox
Use a técnica de quase desligar o fogo para obter a chama mais baixa possível, se precisar (mostrada no vídeo).
Deixe a manteiga derreter e começar a criar uma espuma.
Retire gradativamente a espuma usando uma colher. A espuma contém lactose e caseína.
Uma parte escura vai se depositar no fundo, isso é normal.
Quando a manteiga parar com o chiado, aguarde por mais 10 minutos, retirando a parte final da espuma.
Use uma peneira de malha fina apropriada (ferro ou tecido), evite o plástico.
Coe a manteiga em um recipiente.
Armazene na geladeira para endurecer.
Após isso, você pode mantê-la fora da geladeira por até 2 meses sem problemas.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Ricota caseira fácil

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu
Nesse caso, eu que deia idéia do prato e auxiliei na foto.



Ricota caseira
.
👨🏻‍🍳Esse é um queijo super fácil de preparar. Pra mim, o melhor jeito de comer é como um patezinho, só amassado, temperado e regado com um bom azeite.
.
Receita:
.
✔️Ferva 2 litros de leite tipo A (saquinho)
✔️Coloque uma colher de chá de sal;
✔️Quando levantar fervura, junte o caldo de dois limões para talhar;
✔️Mexa e aguarde uns 5 minutos;
✔️Coe a mistura em um pano de prato bem limpo e esprema para sair o soro;
✔️Deixe envolvido no pano de prato (deixei dentro de um aro de metal para modelar);
✔️Deixe na geladeira por umas 2 horas e já está pronto.
✔️Para o patê, só amassar com o garfo, juntei limão, chimichurri e azeite.
♦️Dá pra fazer com leite longa vida (caixinha) também, mas rende menos e demora mais a talhar.
♦️Com leite direto da fazenda fica melhor ainda .

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Overnight oats

Semanalmente posto aqui as receitas de um instagram que gosto muito, o @cozinhadoedu e nesse caso eu que ajudei a fazer a receita e a tirar a foto rs.



Overnight oats
.
👨🏻‍🍳 Já ouviu falar de overnight oats? Aveia de um dia para o outro em português, é o nome de uma preparação em camadas feita com aveia, iogurte, frutas e outros itens.
.
Receita: ♦️A receita base é : um cereal (aveia, flocos de milho, amaranto, …) + um líquido (leite, leite vegetal, iogurte) que você deixa hidratando durante a noite e no dia seguinte está pronto para ser consumido. Pode adicionar frutas diversas, castanhas, pasta de nuts, coco, compotas, geleias e o que sua imaginação mandar.
.
Vou deixar descrito como preparei esse da foto:
.
✔️Em um copo ou taça de sobremesa coloque 1/2 copo de iogurte natural;
✔️Coloquei um pouquinho de chia por cima;
✔️Distribua duas colheres de sopa de aveia em flocos;
✔️Coloque 03 colheres de sopa de leite misturado com uma colher de sopa de whey protein sabor neutro (opcional);
✔️Junte banana cortada em rodelas formando uma camada (usei banana prata)
✔️Coloque ameixa seca em pedaços
E novamente faça uma camada de banana em rodelas;
✔️Coloque a outra metade do iogurte natural;
✔️Junte cranberry e coco queimado ralado por cima.
✔️Cubra com plástico filma e deixe na geladeira de um dia para o outro.