segunda-feira, 30 de março de 2020

5 locais com estratégias bem-sucedidas de combate ao coronavírus




Alemanha, Coreia do Sul, Japão, Singapura e uma pequena cidade na Itália aplicaram medidas que ajudaram a mitigar a expansão dos contágios e mortes em seus territórios. 

É difícil encontrar alguém que não considere a pandemia da covid-19 a pior crise global desde a Segunda Guerra Mundial. 

Enquanto alguns países sofrem as piores consequências (China, Espanha, Itália e Estados Unidos), outros implementaram estratégias que retardaram a expansão do novo coronavírus.

E as estratégias são variadas: vão da massificação dos testes de vírus ao extremo isolamento social, quarentenas localizadas e até monitoramento da população mais vulnerável. Selecionamos essas "histórias de sucesso". Alerta de spoiler: todas fazem testes em massa, não apenas em pacientes graves. 

1. Por que a Alemanha tem um número tão baixo de mortes por covid-19 em comparação a outros países? 

Apesar de ser o quinto país com o maior número de infecções no mundo pela covid-19, o número de vítimas fatais do vírus é muito menor do que o de outros países que relataram números semelhantes de infecções, como Espanha, Itália ou Reino Unido.

"Embora não saibamos o motivo exato, a verdade é que recomendamos, a partir do momento em que ficamos sabendo da emergência, expandir o número de exames entre a população e, assim, reduzir a possibilidade de contágio", informou o Instituto Robert Koch de Virologia, responsável pela estratégia alemã contra a covid-19, quando consultado pela BBC. Uma das chaves para a baixa taxa de mortalidade pode ser a identificação precoce de portadores de vírus, o que retarda a propagação da doença. As autoridades alemãs indicaram que são capazes de realizar 160 mil testes de diagnóstico por semana. Outros países que também têm dezenas de milhares de infecções confirmadas reservam exames laboratoriais para confirmar quem tem o vírus para pacientes com sintomas mais preocupantes, e não testam aqueles com sintomas leves.

2. Como o Japão conseguiu controlar a covid-19 sem recorrer ao isolamento geral obrigatório ? 

Confrontado com a pandemia da covid-19, o Japão era um terreno fértil para o vírus causar estragos sérios: tem a maior proporção de pessoas com mais de 65 anos no planeta e um alto nível de consumo de tabaco, o que torna sua população mais vulnerável a doenças respiratórias.

Mas, ao contrário de outros países que recorreram ao isolamento social para limitar a propagação do vírus, os japoneses optaram por continuar se aglomerando em eventos públicos, como ao redor das famosas cerejeiras que começam a florescer nesta época do ano. Embora recomendem o distanciamento, as autoridades não impuseram à população as mesmas medidas extremas adotadas na China, Espanha ou Itália nas últimas semanas.

Comparado à China e à Coreia do Sul, as taxas de contágio e mortalidade do Japão são muito menores. Uma das razões por trás desses números pode ter sido a reação rápida do país para identificar focos de infecção e proteger a população mais vulnerável, bem como seu foco em "grupos de contágio". Segundo Kenji Shibuya, diretor do Instituto de Saúde da População do King's College, em Londres, o Japão é muito eficiente em testar pessoas em busca do vírus, identificar grupos de contágio e isolá-los. "A única maneira de lidar com qualquer pandemia é testar e isolar. E muitos países não ouviram. No Japão, eles estão desesperados para rastrear os infectados. E estão indo bem em termos de de identificar e isolar os grupos doentes", disse à BBC News Mundo (serviço da BBC em espanhol).




Nenhum comentário:

Postar um comentário