terça-feira, 16 de abril de 2019

Da série: Fármacos anti-obesidade: Liraglutida (por Dr. Bruno Halpern)


Dando seguimento na série sobre medicações aprovadas no Brasil para a obesidade, hoje é a vez da liraglutida.

Muitos ainda tem a visão errônea de que é uma medicação para diabetes usada para obesidade: embora de fato a liraglutida, na dose de até 1,8mg esteja aprovada para tratamento do diabetes tipo 2, ela passou por todos os passos que uma medicação nova passaria antes de ser aprovada para obesidade, e, ao mostrar-se eficaz e segura, foi aprovada para obesidade, numa dose maior:3,0mg.

Sua ação se dá principalmente na regulação da fome, saciedade, plenitude e desejos por alimentos, sem afetar o prazer, de forma que a perda de peso ocorre pela redução do consumo de calorias.

Dentre as medicações atualmente aprovadas no Brasil, ela é a que leva, na média, à maior perda de peso: entre 6-8kgs, nos estudos clínicos. 1/3 das pessoas atingem a boa marca de 10% do peso perdido e 15% atingem 15% de peso perdido, que é um resultado muito bom.

Em relação à segurança: há estudos longos que comprovam a segurança no longo prazo. Pode ser usada por pessoas em uso de medicações psiquiátricas; tem um perfil de ação cardiovascular extremamente seguro (em diabéticos com risco cardiovascular alto, a liraglutida inclusive reduz o número de eventos cardiovasculares, ou seja, protege) e os efeitos colaterais graves são muito raros. A maior queixa, por parte dos pacientes, são as náuseas e mal-estar que podem ocorrer no início do tratamento, mas alguns pacientes podem tem por maior tempo, atrapalhando o uso.

Outro problema é o custo, ainda inacessível para parte da população.

Hoje a liraglutida é a melhor opção para tratamento da obesidade; lembro porém, que a resposta é variada: há pessoas que respondem bem, e outras não; e nem sempre a melhor opção do mercado seja a melhor opção para uma pessoa específica. Há pessoas que vão bem com uma medicação e mal com outra, e somente um bom acompanhamento clínico pode determinar qual a melhor opção individualmente.

Sempre só usar medicação com prescrição médica e acompanhamento.

E sempre reforço: medicação não substitui a dieta e exercício, e sim aumenta a efetividade dos mesmos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário