quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Infecções graves aumentando entre americanos com diabetes

O número de americanos com diabetes que acabam em hospitais com infecções graves, ou que os desenvolvem enquanto estão no hospital, está em ascensão.

Entre 2010 e 2015, o número de diabéticos hospitalizados por infecções aumentou 52 por cento (de 16 por 1.000 pessoas para 24 por 1.000), de acordo com pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

"As pessoas com diabetes são mais suscetíveis a infecções hospitalares do que as pessoas sem diabetes, e esse risco está aumentando", disse a pesquisadora Jessica Harding, da Divisão de Tradução de Diabetes do CDC.

"Os tipos mais comuns de infecção em pessoas com e sem diabetes foram infecções do trato respiratório e da pele", disse Harding. Mas as taxas de infecção foram sete vezes maiores em pessoas com diabetes, acrescentou ela.

O aumento das infecções globais é em grande parte impulsionado por aumentos em pacientes que desenvolvem sepse, enquanto no hospital, disse Harding. "No entanto, também vemos nas pessoas com diabetes um aumento nas úlceras nos pés, coincidindo com um aumento nas amputações dos membros inferiores", acrescentou ela.

Louis Philipson, diretor do Centro de Diabetes da Universidade de Chicago, disse que não está claro por que os diabéticos desenvolvem mais infecções.

"Nós nem sequer temos dados sobre se as infecções ocorreram em pessoas com diabetes mais mal controlada, embora isso pareça um palpite razoável", disse Philipson, que também é presidente eleito para medicina e ciência na American Diabetes Association.

O alto nível de açúcar no sangue diminui a atividade do sistema imunológico e pode causar muitas alterações no fluxo de tecidos, pele e sangue, o que pode aumentar o risco de infecções, disse Philipson.

"Exatamente quais fatores são mais importantes aqui, e se o acesso aos cuidados de saúde desempenhou um papel, nós ainda não sabemos", acrescentou.

Infecções do trato urinário, da pele e do tecido conjuntivo estão associadas a altos níveis de açúcar no sangue e diabetes mal controlada, explicou Philipson. Prevenir o diabetes e alcançar os alvos ideais para o controle do açúcar no sangue são fundamentais para reduzir as infecções.

"Juntamente com isso, visitas regulares a um médico de cuidados primários e especialista, conforme necessário para obter os melhores cuidados com os pés, oftalmologia e revisão da função renal irá percorrer um longo caminho no sentido de prevenir complicações da diabetes", disse Philipson.

Para o estudo, Harding e seus colegas usaram dados nacionais de hospitalização de 2000 a 2015. Os dados capturaram cerca de 20% de todas as hospitalizações em 46 estados, representando mais de 96% da população dos EUA.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas com diabetes têm cerca de duas a sete vezes mais chances de serem hospitalizadas com uma infecção do que a população em geral.

"Melhor acesso aos cuidados preventivos, bem como promover a educação para reduzir os fatores de risco para processos de doenças subjacentes, será essencial para diminuir o risco de infecções em pessoas com diabetes", disse Harding.

Dr. Joel Zonszein dirige o Clinical Diabetes Center no Montefiore Medical Center, em Nova York. Ele disse que é preocupante que a maioria dos pacientes com diabetes não seja tratada adequadamente, já que altos níveis de açúcar no sangue os predispõem a infecções.

"Temos maneiras adequadas de tratar o diabetes, e não deve haver desculpa para que os pacientes não recebam os melhores cuidados", disse ele. "Mais pesquisas não são necessárias - um tratamento mais eficaz é imperativo".

Os resultados do estudo foram agendados para apresentação terça-feira na reunião da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes, em Berlim. A pesquisa apresentada em reuniões médicas deve ser considerada preliminar até ser publicada em um periódico revisado por pares.

“Compartilhar é se importar”
Instagram: @dr.albertodiasfilho
Autor: Dr. Alberto Dias Filho - Médico endocrinologista. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário