quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Razões para a epidemia de obesidade por Dr. Bruno Halpern


Na edição recém publicada de um importante jornal médico da área de obesidade, o "Obesity", há três artigos que tentam colocar sob perspectiva as razões para a epidemia de obesidade. Um fala sobre a alimentação, um foca em exercício, e um foca em razões não óbvias (sono ruim, poluição, termoneutralidade, uso de medicações, parada do cigarro, entre outras, que vou discutir em outra postagem).

Mas gostaria de focar agora no artigo sobre alimentação, não por acaso do Kevin Hall, que acho um dos mais geniais pesquisadores na área de obesidade. Hall discute que, embora adoramos achar culpados únicos (antigamente era a gordura, agora é carboidrato), o real culpado é o excesso de calorias como um todo. Vou fazer um pequeno resumo do artigo dele.

Quem é o culpado?

1 -É a proteína (ou a falta dela)?

Alguns pesquisadores acreditavam que nossa fome tivesse a ver com o quanto de proteína comemos. Se comemos pouca, o organismo continuaria procurando fontes de energia até repor a necessidade básica. Portanto, poderíamos engordar por ter dieta hipoprotéica. Porém, alguns estudos com dieta hipoprotéica não demonstraram um aumento óbvio no consumo. Além do mais, a quantidade de proteína na dieta não diminuiu em paralelo com o aumento da obesidade (figura A).

2 - É a gordura?

Existem sim modelos experimentais sugiram que a gordura possa ser culpada pelo ganho de peso por: 1- ter densidade energética maior (isso é, mais calorias para o mesmo número de gramas que outros nutrientes) 2 - dar muito pouca saciedade 3- gerar menos gasto energético para ser digerida 4- o corpo não ser bom em usar a gordura que comemos como fonte imediata de energia; além do mais, estudos de superalimentação com excesso de gorduras mostra um ganho de peso desproporcional. E epidemiologicamente, o consumo de gorduras aumentou nas últimas décadas (figura B).
Porém, recomendações para reduzir o consumo de gorduras não foram efetivas em reduzir o ganho de peso na população e dietas muito baixas em gorduras não levam a perdas de peso maiores comparadas com outras dietas.

3 - É o carboidrato?

Nos últimos anos, entrou na moda culpar o carboidrato, baseado no modelo "insulina-carboidrato", muito divulgado na mídia pelo jornalista Gary Taubes, principalmente, que sugere que o excesso de carboidratos aumenta a secreção de insulina e que isso leva o excesso calórico a ser armazenado como gordura, enquanto o cérebro não recebe nutrientes e mantém os sinais de fome constantes e reduza o gasto energético.
Esse modelo é facilmente refutado por diversos modelos experimentais supercontrolados em humanos, que não encontram diferenças significativas em perda de massa gorda e gasto energético com dietas com diferentes nívies de carboidratos e secreção de insulina.
Porém, é bastante plausível que o aumento no consumo de carboidratos refinados (como o açúcar) contribua para a epidemia de obesidade, por aumentar o excesso de calorias consumidos.

4- É o excesso de calorias?

Modelos experimentais mostram que, quanto maior a disponibilidade de alimentos em um meio, maior o consumo calórico. A disponibilidade de alimentos nos EUA aumentou de 2 a 3 vezes mais que o suficiente para explicar o ganho de peso da população. Inclusive, esse excesso de disponibilidade é o responsável pelo grande aumento no desperdício alimentar, que também aumentou 50% per capita (figura C - é interessante esse modelo, que mostra que o excesso de disponibilidade aumenta o consumo, mas que este "extravasa" e leva a mais desperdício também).
Fora dos EUA, o aumento da disponibilidade é suficiente também para explicar o ganho de peso populacional, em ao menos 80% das nações.
Portanto, sim, o excesso de calorias é provavelmente o maior responsável pelo aumento da obesidade.

5- É a qualidade da alimentação?

Somente focar nas calorias pode mascarar uma complexidade muito maior referente à alimentação e ganho de peso.
O aumento da disponibilidade de alimentos tem muito a ver com questões econômicas de maximização de matérias-primas baratas (milho, soja) para uma indústria de produtos baratos, convenientes, altamente processados. Esses produtos possuem sal, açúcar, gordura e aditivos feitos para terem propriedades "supernormais", que aumentam o consumo pela palatabilidade.
Ter acesso contínuo a comida em cafés, restaurantes, coffee-breaks, etc, também aumenta o consumo, pela disponibilidade e redução do trabalho de cozinhar em casa.

Portanto, o que essa revisão mostra é que não podemos encontrar um único macronutriente culpado, como muitos gostam de fazer e entender que todo o ambiente que vivemos é muito propenso ao ganho de peso.
Como já disse em outras postagens, não podemos modificar o ambiente em que vivemos, mas podemos modificar nossos ambientes próprios, tendo menor disponibilidade de alimentos pouco saudáveis dentro de casa e evitar que toda atividade de lazer seja vinculada à comida.

Fica uma dica: evitar comer ultraprocessados e alimentos pouco saudáveis no dia-a-dia dão muito mais liberdade e menos culpa para que possamos ter um maior prazer alimentar em momentos que realmente importam (um bom restaurante, uma confraternização, um almoço/jantar de família), etc. Comer bem não significa não ter prazer, muito pelo contrário.

Autor: Dr Bruno Halpern

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget