terça-feira, 11 de julho de 2017

Os primeiros 1000 dias de vida por Dr. Thiago Hirose

Olá mamães e futuras mamães!

Hoje, a ideia é falar de um conceito que está sendo cada vez mais divulgado e estudado com relação à parte da alimentação e prevenção de doenças do futuro: Os mil primeiros dias de vida e programação metabólica.

O que seria isto? Primeiramente, temos que definir o que são os mil primeiros dias de vida: quando há a união do óvulo com o espermatozóide, dizemos que houve a fecundação, ou seja, o início da formação do bebê. Em média, da fecundação até o nascimento, a gestação dura 9 meses ou 270 dias. Do nascimento até os 2 anos de idade, a criança vive 730 dias (1 ano tem 365 dias e, portanto, 2 anos equivalem a 730 dias). Portanto, somando os 270 dias da gestação mais os 730 dias dos 2 primeiros anos de vida, temos os mil primeiros dias de vida.

E qual a relação destes mil primeiros dias de vida com programação metabólica? Novamente uma explicação - o que é programação metabólica? Sabemos que somos compostos de genes que podem ou não manifestar inúmeras doenças (pressão alta, diabetes, obesidade, câncer, dentre outras.); porém, o que se sabe hoje, é que fatores externos podem sim modificar não o gene em si, mas o produto dele. Um exemplo bem fácil para explicar isto: eu produzo carro com a carroceria da cor azul, é a única cor que tenho na minha fábrica. Uma pessoa compra meu carro, leva para casa mas não gosta da cor - ela compra uma tinta vermelha e pinta o carro de vermelho. Ou seja, de fábrica era um carro azul mas a pessoa usou um fator externo (tinta) para mudar a cor do carro. Esta influência de fatores externos no produto final é a chamada EPIGENÉTICA.

Desta forma, podemos ver que uma pessoa, por exemplo, que não carregue genes que possam causar uma obesidade por exemplo, de acordo com situações externas, ela pode sim ser obesa. Fica um recado importante: não basta culparmos apenas a genética se a pessoa é magra ou não e se aparece tal doença ou não, temos que juntar vários dados para ver o causador daquele problema.

E isto vale para as "doenças do adulto" - pressão alta, diabetes, problemas de colesterol, câncer, síndrome metabólica - NA INFÂNCIA! Pois é, atualmente a incidência de crianças e adolescentes com excesso de peso e "doenças do adulto" está cada dia aumentando em todo o mundo, inclusive no Brasil. E por que isto está ocorrendo? Os dois principais motivos são: 1) Alimentação inadequada, com baixa ingesta de fibras, alta ingesta de alimentos calóricos (açúcares, gorduras, doces, refrigerantes, etc) e 2) Sedentarismo, com pouca atividade física, muito tempo na frente da TV/tablet/computador, etc.

E qual a relação dos mil primeiros dias de vida com este assunto? Os estudos mostram que, por conta da epigenética, este período dos mil dias são cruciais para a prevenção das "doenças do adulto" - claro que isto pode ocorrer também em fases mais tardias da vida, mas os mil primeiros dias de vida sofrem influência muito grande do ambiente externo na prevenção ou aparecimento destas doenças. O que pode influenciar nisto?


  • Aleitamento materno exclusivo diminui a chance de obesidade e síndrome metabólica, ao contrário das fórmulas infantis e o leite de vaca tradicional (estes últimos apresentam um teor calórico-protéico maior que o leite materno); 
  • Uso de antibióticos na gravidez e durante os dois primeiros anos de vida alteram a microbiota intestinal. Aqueles microorganismos que ficam no intestino e protegem o corpo de doenças; 
  • Tipo de parto, o parto vaginal deixa a criança em contato com a microbiota boa, protetora das doenças; 
  • Quantidade de peso ganho pela mãe na gravidez; 
  • Prematuridade; 
  • Peso ao nascer, entre outros.

Então podemos ver que não é só a genética, mas o contexto todo que faz com que o indivíduo aumente ou não a chance de ter determinada doença. Quando falamos em fatores de risco, não quer dizer necessariamente que a pessoa terá tal doença, mesmo uma pessoa totalmente sem fatores de risco pode ter câncer, por exemplo; mas o fator de risco faz com que a chance de manifestar determinada doença seja maior.

Agora, um detalhe importante: sabemos bem que o leite materno é o principal alimento para o bebê, que deve ser dado exclusivamente até os 6 meses de idade e, a partir daí, introduz-se novos alimentos ao leite materno, complementando a alimentação diária da criança. Usa-se a fórmula apenas em situações específicas. Mas uma criança que esteja amamentando em seio materno pode algum dia ter excesso de peso? A resposta é: SIM! Por incrível que pareça, sim. A chance é menor, mas existe. Por que ocorre isto? Ou por ingestão excessiva de leite materno mas, principalmente, outra causa fundamental é a dieta materna. Eu disse anteriormente que uma alimentação com alto teor calórico-protéico aumenta a chance da pessoa ter excesso de peso. Caso a mãe faça este tipo de alimentação, estas calorias e proteínas a mais passam sim para o leite materno, e este fica com um maior teor de calorias e proteínas, provocando aumento excessivo de peso. Desta forma, na amamentação ao seio materno, cuidado mamães com a própria alimentação para não prejudicar o crescimento e desenvolvimento do bebê.

Portanto, vamos pensar sempre no estilo de vida saudável desde a gravidez, e após o nascimento dos nossos filhos, para que eles possam ter uma boa saúde, evitar as "doenças do adulto" na própria infância, e aumentar a qualidade e expectativa de vida deles.


Obrigado e até a próxima!

Dr. Thiago Santos Hirose - CRM 126.047 (SP) / 69.449 (MG)
Pediatra e endocrinologista infantil
Fan page: Thiago Santos Hirose - Endocrinologia
Instagram: @drthiagosantoshirose

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget