domingo, 6 de março de 2016

A moda do Iodo (Lugol) por Dr. Minuzzi

Excelentes colocações do Dr. Minuzzi (endocrinologista  de Porto Alegre com 42 anos de experiência em endocrinologia) sobre a moda do Iodo. Semanalmente atendo no consultório particular e até no SUS, pacientes fazendo uso de alguma forma de Iodo. Seja Lugol, Iodo quelato. Isso na minha opinião é um ERRO e não encontra NENHUM tipo de respaldo científico. Ou seja, as maiores autoridades do mundo em endocrinologia, contraindicam o uso. Vale a pena ler o texto abaixo.



O Excesso de Iodo na População Brasileira No início do século XX a deficiência de Iodo foi reconhecida como um grave problema de saúde pública na maioria dos países da América Latina.

As consequências da deficiência de Iodo levam ao bócio endêmico, cretinismo, prejuízos intelectuais, retardo no crescimento, hipotireoidismo neonatal e ao aumento do aborto espontâneo e mortalidade infantil.

Em função disso, em 1953, legislou-se pela primeira vez para que houvesse a correção da deficiência crônica de Iodo no Brasil. O sal iodado seria distribuído só em áreas endêmicas de bócio, com dose fixa de 10mg de Iodo/Kg de sal, entretanto, isso só foi implementado em 1977.

Na década de 1982 à 1992 o INAN assumiu o Programa Nacional para a Deficiência Crônica de Iodo e forneceu iodeto de potássio a todos os produtores de sal, sem qualquer custo para os mesmos.

Em 1992 o INAN foi dissolvido. Em 1995 nova legislação foi feita determinando que todo sal para consumo humano deveria ser enriquecido com Iodo e a Anvisa ficou encarregada de supervisionar o teor de Iodo em amostras de sal.

Entre 1998 à 2003 o teor de Iodo no sal foi elevado para 40 à 100mg de Iodo/Kg de sal. No período de 1998 à 2003 a população brasileira foi exposta a excessivo aporte nutricional de Iodo advindo do sal. Isso foi confirmado pelo Thyromobil Project em 2001.

Abaixo alguns detalhes dessa pesquisa que encontrou amostras de sal vendidas no Brasil com até 10 vezes mais Iodo do que o recomendado. Alertada por órgãos Internacionais e pesquisadores brasileiros a Anvisa, em 2003, decide reduzir a concentração de Iodo no sal brasileiro para 20-60mg/kg de sal, mas o descontrole segue.

O mapa acima mostra a nossa realidade atual. Esse trabalho foi publicado em 2013. A cor preta representa excessivo consumo de Iodo ( UIC>300mcg/L) por parte da população brasileira.
Nossa população têm que estar atenta .

Frequentemente chegam até mim pacientes tomando as mais diferentes formas de Iodo. ALERTA MÁXIMO . O Iodo em excesso acarreta uma série de doenças!



Estudo feito em 2001, Thyromobil Project, em 13 países da América do Sul em crianças, cuja idade variava entre 6 à 12 anos, demonstrou que, no Brasil, a grande maioria apresentava excesso de iodo.

Aleatoriamente, os pesquisadores coletaram 1324 amostras de sal vendidas no Brasil, em supermercados e lojas de alimentos. Na grande maioria dessas amostras o que se detectou foram níveis de Iodo muito acima do recomendado. Algumas amostras continham até 10 vezes mais Iodo do que o recomendado.

As 1013 crianças brasileiras estudadas, nas mais diferentes cidades de nosso país, todas apresentavam concentração de Iodo na urina muito acima do recomendado. A pesquisa mostrou que, todas as 1013 crianças estavam com excesso de Iodo, sem nenhuma exceção.

A concentração normal de Iodo na urina deve ser de 100 à 199μg/L . Em algumas crianças brasileiras o que se encontrou foi até 3000 μg/L.

O excesso nutricional de Iodo fez com que aumentasse a incidência de Tireoidite de Hashimoto, hipotireoidismo e hipertireoidismo em nosso país. Sabemos que quando há excesso de Iodo em nosso corpo a tendência é o desequilíbrio da glândula tireóide.

Após a exposição de elevados níveis de Iodo a síntese dos hormônios tireoideanos tende a ser inibida via um efeito agudo denominado Wolff-Chaikoff. Um outro fenômeno que pode ocorrer é denominado de Jod-Basedow, ou hipertireoidismo induzido pelo Iodo.

É frequente também o aparecimento de Tireoidite de Hashimotto em indivíduos que consomem Iodo em excesso.

Caso você queira saber como estão seus níveis de Iodo, existe um exame bem simples que reflete a sua realidade, é a concentração de Iodo na urina de 24 horas. Solicitei inúmeras vezes exame e, até hoje, não encontrei nenhum paciente com déficit de Iodo.

Caso você tenha algum distúrbio de tireóide procure um especialista e trate adequadamente. Como endocrinologista, com 42 anos de prática médica e tendo atendido mais de 33 000 pacientes, afirmo que: quando não há deficiência de IODO comprovada laboratorialmente, tratar doenças tireoideanas com Iodo é como apagar o fogo com gasolina.

7 comentários:

  1. Respeito sua opinião,mas o senhor está bem desinformado em relação aos beneficios do uso do lugol. Médicos conceituados tem demonstrado os beneficios do iodo,sugiro que faça uma pesquisa mais detalhada antes de publicar uma matéria como essa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Caro leitor, eu acho que vc se equivocou e veio opinar pra pessoa errada. Eu estudei o tema (em especial esse do Lugol) desde 2004. Ou seja, 12 anos. Ja li vários livros sobre o tema, faço pesquisas quinzenais sobre o assunto nas bases de dados. E tenho uma prima (endocrinologista) que a linha de pesquisa dela no doutorado é justamente Iodo em gestantes. Então, antes de sugerir que a pessoa está desinformada, reflita para não passar vergonha. O meu colega Dr. Minuzzi é conceituado, estudioso do tema há 3 décadas. E as maiores sociedades médicas do mundo (de nutrologia e endocrinologia) contraindicam o uso de Lugol para optimização tireoideana. Só pra constar, o currículo do Mizzi: Formado em Medicina na Universidade Católica de Pelotas em 1974.
      Pós – Graduado em Endocrinologia pela Fundação Carlos Chagas, Rio de Janeiro.
      Mestrado em Endocrinologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
      Fellowship em endocrinologia e metabolismo na Jonhs Hopkins University School of Medicine, USA.
      Ex – aluno do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luis Capriglione, Rio de Janeiro.
      Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia.
      Membro da Associação Brasileira de Estudos da Obesidade.
      Member of the American Society for Clinical Nutrition.
      Member of the American Academy of Anti-Aging Medicine.
      Member of the Growth Hormone Research Society and the International IGF Research Society.

      Excluir
  2. Onde posso achar essa solução...em Goiânia?
    Tem que ter receita?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc leu o texto cara Lúcia? O Texto deixa claro os perigos do uso de Lugol e vc quer que eu indique ? rs. Contraindico totalmente e não indico onde se vende. Precisa de receita médica sim, é medicação.

      Excluir
  3. graças a deus livrei minha mãe dessa furada anti aging pois indicaram a ela muitos suplementos inclusive lugol ,"o unico com comprovação científica e deixo ela usar o de magnésio" ,quero dizer que não e somente o lugol que eles indicam e uma lista ...oleo de coco, omega 3, vit d , homeopatia , fazem vc ficar com medo vem com 1 papo que sem isso impossivel ter saude e que remedio não existe não é natural e et ai eu perguntei se lugol dá em pé de arvore kk pra ter que tomar tanto no caso começa 2 gotas e vai até a dose 100mg para os que sobrevivem acho tireoide acostuma rsrs morto não fala né e tamen tem história dos japoneses tambem modulação hormonal que vende na farmácia manipulação no fina deu beirando mil reais super caro no caso dela o lucro foi o gamma gt alto e tgp marquei especialista em figado pra descobri a causa disso

    ResponderExcluir
  4. Pior ainda que sendo um medicamento necessita de REGISTRO NA ANVISA, e ao que parece muitos dos "laboratórios" não o tem, assim sendo sua produção não tem qualquer controle pelos órgãos sanitários. Um perigo real.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget