domingo, 7 de setembro de 2014

Mineralograma capilar: Pra que serve?


Muita gente me pergunta pra que serve o mineralograma capilar (MC), exame do cabelo vulgarmente chamado.

O MC consiste em um exame que visa determinar (no cabelo ou pêlos pubianos) elementos tóxicos. O excesso de elementos tóxicos é incorporado à raiz do cabelo durante o estágio inicial de seu crescimento. Diferente da amostra de sangue e urina, o cabelo é um monitor biológico capaz de registrar uma intoxicação ao longo de um período de meses ou até anos. É o melhor exame para detectar intoxicação crônica, sendo assim o Conselho Federal de Medicina na Resolução 2.004/12 libera o seu uso apenas para esta finalidade: Detecção de metais tóxicos.

COLETA: Paciente tem que ficar preferencialmente 3 meses sem pintar o cabelo, durante 15 dias deve suspender o uso de xampus anticaspa, evitar nadar em piscinas ou usar qualquer produto químico. Por 7 dias deverá lavar o cabelo apenas com xampu de pH neutro, isento de zinco ou selênio. A coleta deve ser feita com tesoura de aço-inoxidável, específica para essa finalidade. Retira-se na região da nuca vários tufos até totalizar 1g, sendo que os fios devem ser retirados o mais próximo da raíz.

A amostra é armazenada em uma embalagem de plástico e enviada para análise. A amostra após uma dissolução, é analisada através de espectrometria de massa, com fonte de plasma (ICP-MS), uma técnica extremamente sensível. #Mineralograma #MetaisTóxicos

Licopeno



"Segundo estudo realizado pelas Universidades de Cambridge, Oxford e Bristol, o tomate deve ser recomendado para prevenir câncer de próstata. A pesquisa revelou que os homens que consumirem mais de dez porções do fruto por semana, podem reduzir em 20% os riscos de ter esse tipo de câncer. Os pesquisadores analisaram a alimentação e o estilo de vida de aproximadamente 20 mil britânicos com idade entre 50 e 70 anos. De acordo com os resultados, aqueles que ingerem cinco porções de frutas e legumes, ou mais, por dia podem diminuir em 24% o risco de apresentar a doença no futuro"

DICA: O licopeno do tomate tem maior biodisponibilidade quando aquecido. Portanto é válido cozinhar o tomate (por cerca de 1 hora) preparando um molho e acrescentar 1 colher de sopa de óleo de girassol (Vitamina E). O mesmo pode ser congelado e ser utilizado posteriormente. Antes que me perguntem, o licopeno não será perdido no aquecimento, a receita acima aprendi com uma professora da ABRAN, pesquisadora da Unifesp. Foi testada em laboratório e diminuiu o tamanho de tumores do trato genitourinário.
Conclusão brilhante do meu amigo @marceloekeylanutri


Câncer é uma doença hereditária ?


O câncer não é uma doença prioritariamente hereditária, muito longe disso. Na verdade, apenas 1 em cada 10 tumores diagnosticados tem relação comprovada com herança familiar. Com isso, acredita-se que 9 em cada 10 casos da doença estão ligados à interação do ser humano com o meio ambiente, seja por hábitos nem sempre saudáveis, seja por meio da exposição a fatores e agentes de diferentes origens.

A doença tem uma base genética, mas as alterações gênicas envolvidas no câncer ocorrem de forma hereditária em apenas 10% dos casos. Em todos os outros casos, essa alteração genética pode ser causada pelo cigarro, álcool, raios solares, alimentação carregada de conservantes, contatos com substâncias químicas nocivas e até mesmo por inúmeros vírus ou bactérias como HPV, Hepatites B e C, dentre outros.


Dr. Luiz Paulo Kowalski - CRM 36404
Diretor do Núcleo de Cabeça e Pescoço

Fonte: http://www.accamargo.org.br/saude-prevencao/mitos-e-verdades/o-cancer-e-hereditario/115/

Umami por Dr. Edison Credidio

Sabor 'umami' pode ajudar a controlar o apetite, diz estudo. O umami é descrito como agradável sabor salgado, presente em alimentos como os cogumelos.

Você provavelmente está familiarizado com os sabores salgado, doce, amargo e azedo.O umami,considerado o quinto sabor que, além de diferente, foi apontado por um novo estudo como um agente benéfico para o apetite.

As informações são do site Health. De acordo com o novo estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, a adição do glutamato a uma sopa, por exemplo, estimula o apetite e também impulsiona a saciedade. Os cogumelos são boa fonte natural de umami

Energéticos e risco de eventos cardiovasculares


Os energéticos, bastante consumidos por jovens, podem levar a problemas no coração, diz estudo apresentado neste domingo durante o Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, que acontece em Barcelona. Segundo o autor da pesquisa, Dr. Milou-Daniel Drici, da Faculdade de Medicina de Nice, na França, o consumo em excesso dessas bebidas pode “levar a condições adversas incluindo angina, arritmia cardíaca e até mesmo morte súbita”. Cerca de 96% dessas bebidas possuem cafeína, com uma lata típica de 250ml (= 02 cafés expressos).

A Cafeína é um potente ativador dos canais de cálcio sensíveis a rianodina encontrados nos retículos endoplasmáticos e sarcoplasmáticos, levando à liberação de cálcio intracelular dentro das células cardíacas, o que pode favorecer arritmias.

O estudo analisou diversos casos associados ao consumo de energéticos entre 01/2009 a 11/2012, teve a participação de 15 especialistas, incluindo cardiologistas, psiquiatras, neurologistas e fisiologistas. Durante o período, foram reportados 257 casos, sendo que 212 forneceram informações suficientes para análise.

Os especialistas informaram que, dos casos reportados, 95 apresentaram sintomas cardiovasculares, 74, psiquiátricos; e 57, neurológicos, com sobreposição em alguns. Paradas cardíacas ou mortes inexplicadas aconteceram em ao menos 8 dos casos, enquanto 46 pessoas apresentaram arritmia, 13 tinham angina e 3, hipertensão.

O médico recomenda que pessoas que já apresentam algum problema no coração devem evitar o consumo de energéticos, pois a cafeína pode “exacerbar a condição com consequências fatais”. Drici também alerta sobre o risco de consumo dessas bebidas durante exercícios físicos ou misturadas com álcool

10 coisas que você precisa saber sobre Anabolizantes e hormônios erroneamente denominados de Bioidênticos


O uso de anabolizantes vem se tornando, a cada dia, um hábito comum, principalmente pelas pessoas que praticam esportes, para aumentar a competitividade, ajudar na cura de lesões ou simplesmente por questões estéticas. Obviamente as pessoas sabem que o uso sem indicação médica é arriscado e pode gerar danos irreparáveis. 10 coisas que você deve saber sobre os anabolizantes.

1- Os esteróides androgênicos anabólicos, mas conhecidos como anabolizantes, é um produto derivado principalmente da testosterona, hormônio responsável por muitas características que diferem homem e mulher. Eles atuam no crescimento celular e em tecidos do corpo, como o ósseo e o muscular.

2- O uso de anabolizantes gera efeitos colaterais, tanto em homens e mulheres, como: aumento de acnes, queda do cabelo, distúrbios da função do fígado, tumores no fígado, explosões de ira ou comportamento agressivo, paranóia, alucinações, psicoses, coágulos de sangue, retenção de líquido no organismo, aumento da pressão arterial.

3- No caso das mulheres, o uso de anabolizantes pode gerar características masculinas no corpo, como engrossamento da voz e surgimento de pêlos além do normal. Além disso, aumento do tamanho do clitóris, irregularidade ou interrupção das menstruações, diminuição dos seios e aumento de apetite.

4- Nos homens, o excesso de anabolizantes pode causar aparecimento de mamas, redução dos testículos, diminuição da contagem dos espermatozóides e calvície.

5- Em adolescentes, as consequências podem ser piores, como comprometimento do crescimento, maturação óssea acelerada, aumento da frequência e duração das ereções, desenvolvimento sexual precoce, hipervirilização, aumentos dos pelos púbicos e do corpo.

6- Esses hormônios podem ser usados clinicamente e, ocasionalmente, serem prescritos sob orientação médica para repor o hormônio deficiente em alguns homens. Nos casos de necessidade clínica, os pacientes são indicados a tomarem apenas doses mínimas para apenas regularizar sua disfunção.

7- O uso das injeções de anabolizantes esteróides pode levar ao risco de infecção pelo HIV e vírus da hepatite, se as agulhas forem compartilhadas. Esteróides Anabólicos obtidos sem uma prescrição não são confiáveis, pois podem conter outras substâncias, os frascos podem não ser estéreis e, além disso, é possível que nem esteróides contenham.

8- Usar anabolizantes, sem orientação médica, é proibido, além de ser de grande risco para a saúde. Entretanto, por aumentarem a massa muscular, estas drogas têm sido cada vez mais procuradas e utilizadas por alguns atletas para melhorar a performance física e por outras pessoas para obter uma melhor aparência muscular.

9- Tem um estudo de 2007 que traçou o perfil do usuário de anabolizantes no mundo. De acordo com os dados, o usuário típico não é o adolescente ou o atleta, mas o homem de cerca de 30 anos, bem educado e com renda alta. Foram pesquisados 2.663 homens e mulheres de 81 países, indicando que o motivo principal para o uso desses compostos é o aumento da musculatura.

10- Muitos atletas consomem anabolizantes a fim de conseguirem uma melhora na performance dentro do esporte. Os anabolizantes, quando entram em contato com as células do tecido muscular, aumentam o tamanho dos músculos do corpo humano. Porém, isso é caracterizado Doping, e o esportista pode ser punido por isso, como já ocorreu em inúmeros casos. Dependendo da situação, o atleta pode ser banido do esporte.

Deficiência de Magnésio

Quais são as consequências da deficiência de magnésio?

Estudos têm sugerido que a baixa ingestão de magnésio e seus baixos níveis sanguíneos estão associados com diabetes tipo 2, síndrome metabólica, proteína C-reativa elevada (um dos marcadores de inflamação), hipertensão, doença vascular aterosclerótica, morte súbita cardíaca, osteoporose, enxaqueca, asma e câncer de cólon.

Além disso, outras pesquisas demonstram que os níveis séricos de magnésio são inversamente proporcionais aos níveis de proteína C-reativa em pacientes com sobrepeso/obesidade, pacientes em hemodiálise ou com insuficiência cardíaca.

Diversos trabalhos têm demonstrado que a ingestão dietética de magnésio por idosos é relativamente baixa. Esse baixo consumo pode ser devido a diversos fatores, incluindo falta de apetite, perda do paladar e do olfato, próteses mal ajustadas, dificuldade em fazer compras e de preparar as refeições. Além disso, o processo de envelhecimento provoca alterações no metabolismo de magnésio, levando à diminuição de sua absorção intestinal e aumento da excreção urinária. Com isso, uma dieta pobre em magnésio pode colocar essa população em risco de deficiência de magnésio e suas consequências.

O magnésio é necessário para mais de 300 reações bioquímicas no corpo humano e aproximadamente 50% de sua concentração corporal é encontrada no osso. Esse micronutriente ajuda na manutenção da massa muscular e função normal dos nervos, mantém o ritmo cardíaco regular e o metabolismo ósseo, além de melhorar o sistema imunológico. O magnésio também ajuda a regular a glicemia, promove a pressão sanguínea normal e está envolvido no metabolismo de energia e síntese de proteína.

"Vegetais folhosos verde-escuros, legumes, frutas como o caju, a banana e a maçã, cereais integrais, nozes e castanhas são alguns exemplos de alimentos ricos em magnésio", enumera Lucy Aintablian Tchakmakian, nutricionista e coordenadora adjunta do curso de nutrição do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo

Devo tomar Iodo ?


DEVO TOMAR IODO? O que vemos são trabalhos e teorias indo em sentidos opostos. A endocrinologia observou que não há em absoluto a necessidade extra de iodo, ao contrário, pode estar acontecendo um aumento dos efeitos Wolff-Charcoff (causando hipotireoidismo auto-imune) e Jod-Basedow (causando hipertireoidismo). A recomendação extra de iodo hoje se restringe às pacientes grávidas, cuja necessidade de produção de hormônio tireoidiano aumenta. Por outro lado, o uso de iodo é vangloriado pelas áreas afins como a resposta da vitalidade e da resolução de todas as doenças tireoidianas. Não consegui encontrar estudos de qualidade que confirmem este posicionamento. O fato é que tem sido comum na prática clínica pacientes com hipotireoidismo compensado clínico a laboratorialmente descompensarem com a exacerbação do hipotireoidismo por uma prescrição que receberam de iodo. Portanto, minha opinião neste caso é clara: a não ser que esteja grávida, não tome iodo. Por #DrFlávioCadegiani #iodo#riscosdoiodo #iodonagravidez #corpometria

Alimentação vegetariana segundo o nutrólogo Eric Slywich



1. Introdução à alimentação vegetariana sem dúvidas => https://www.youtube.com/watch?v=bufNOa1zHcE


2. Definições das dietas vegetarianas => https://www.youtube.com/watch?v=JTHwBLionmE



3. Conhecimentos básicos dos nutrientes => https://www.youtube.com/watch?v=Z2HEvJcNAlo&list=UUptCWTO2uq6jXcJLEvRhr8g



4. Ferro: informações gerais => https://www.youtube.com/watch?v=TJGUeK0dWEU

5. Ferro: sintomas de deficiência => https://www.youtube.com/watch?v=feJ0kaMuGdg

Capacidade intelectual e corpo


Extraído do facebook: Ei mulher, melhore

Desabafo e pedido de uma pessoa que sofre Gordofobia

Não gosto de divulgar esse tipo de coisa, mas o "desespero faz a pessoa". Enfim, quem for dono de empresa ou conhecer alguém que esteja contratando ou pretende contratar e puder me indicar, ficarei imensamente grata!
Tenho um bom currículo profissional para atuar no comércio ou em outros setores relacionados à atendimento ao cliente, mas infelizmente, ser/estar gorda não permite que eu mostre meu potencial e capacidade intelectual. Envio meu currículo para varias oportunidades de emprego (desde abril até hoje de madrugada, já foram 83 enviados), sou selecionada para as entrevistas, até ao telefone o "papo" é bem descontraído, mas pessoalmente, percebo a admiração ao me verem. Já cheguei a escutar algo do tipo: "Você está fora dos padrões estipulados pela contratante". Mas antes, na ligação me convocando, alegaram que gostaram muito do meu currículo e tal. Daí, a contratada foi uma moça de 20 anos, sem experiência e magra. Realmente, o currículo dela estava bem dentro dos padrões exigidos pela contratante...
Enfim, meu trabalho como aautônoma não está rendendo bem e eu preciso muito de um emprego com carteira assinada. Meu filho precisa do básico que uma mãe pode dar (comida, escola, vestuário...) e estou totalmente dependente de terceiros. Todos sabem, ou devem imaginar, que isso é deprimente, ainda mais para uma pessoa que sempre trabalhou (desde de criança, que é o meu caso).
Apesar de ter ultrapassado os 2 dígitos da balança e não ser mais uma "gorda aceitável" aos "padrões estipulados pelo mercado" (sim, pois eu nunca fui magra), as empresas por onde passei podem comprovar meu profissionalismo.

A sociedade é gordofóbica, estou sendo vitima disso. Não que eu seja uma coitada, mas dói ser prejudicada pelo preconceito de todos. E não venham me dizer: "Ah, mas eu não sou gordofóbico, aceito numa boa pessoas gordas". Certo, mas quando você faz piada, critica, xinga, rir ou participa disso, você é o quê?
Ora, até gordos são gordofóbicos, pois não se aceitam e se auto criticam ou fazem piada de si mesmos, no intuito de defender-se muitas vezes de algo que possa estar por vir (inclusive eu fiz muito isso, hoje não, sei do meu valor e quero respeito).
Ah, sou saudável. Oh! Está admirado? Pois é, sou gorda e com todos os exames médicos em dia e sem quaisquer alterações. Sempre fui gorda, é o meu biotipo, apenas aumentei de peso, como também posso voltar aos 80 quilos (e sim, continuarei gorda para a sociedade, mas esse é o peso que gosto e que o meu corpo fica bem), isso é se a ansiedade permitir.

Resumindo: Não tenho mais como dar nem comida ao meu filho, preciso de um emprego e de uma empresa que aceite "profissionais gordos".

Grata!

As aparências enganam...

"Existem profissionais, que se destacam pelo discurso vanguardista, que desqualifica qualquer ser humano que tenha um mínimo de ética profissional. 

Abrigados em consultórios luxuosos, verdadeiros conglomerados comerciais, que tem como foco a venda de tratamentos “revolucionários”. Suas equipes escolhem minuciosamente os "artigos científicos" para tentar dar algum ar cientificista ao discurso. Na grande maioria das vezes, os trabalhos citados são obsoletos, ou com erros metodológicos gritantes que passam despercebidos pelo público leigo que não sabe a diferença entre um estudo de corte, e um ensaio clínico randomizado duplo-cego controlado por placebo. Tudo para o leigo parece deslumbrante !!! 

As redes sociais, atualmente são mantidas por uma estrutura muito bem elaborada de marketing, com fotos lindas e impactantes, mostrando o luxo e a prosperidade de pessoas de sucesso, textos poéticos e às vezes fotos tiradas com artistas ao custo de cachês absurdos. 

Quanto aos títulos que ostentam nem se fala. Extremamente sedutores. Imagine, por exemplo, marcar uma consulta com um "ADVANCED NUTRITION SPECIALIST” da International Federation of Bodybuilding and Fitness. Este curso pode ser feito por correspondência e é aberto a qualquer pessoa. É aceito cartão de crédito e custa R$ 900,00. 

Resumindo, você não deve colocar seus sonhos nas mãos de ninguém, porque nada que pode ser vendido, tem mais força que a sua perseverança, e a sua vontade de mudar. Você é a estrela da transformação. Sei que tudo na vida tem um preço, mas o caráter de um profissional de saúde não está à venda!!! Reflitam quem é a verdadeira estrela ou o verdadeiro especialista"

Repost do colega e excelente nutricionista @valentim_nutri

Alimentação saudável é cara?



Em 2013, uma pesquisa da Universidade de Brasília (UNB) mostrou que o Brasil gastou R$ 488 milhões com tratamento de doenças ligadas à obesidade. Por que não colher os benefícios de investir dinheiro em comidas boas, em vez de gastá-lo em consultas e medicamentos? Veja a hora da refeição como um investimento em sua saúde.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Dieta sem glúten e emagrecimento

Restringir o glúten da dieta favorece o emagrecimento?

Até o momento não existe nenhuma evidência científica que justifique a restrição total do glúten na dieta para promover a perda de peso de pacientes com sobrepeso ou obesidade, que não tenham doença celíaca ou sensibilidade ao glúten. De maneira geral, a adesão ao padrão alimentar sem glúten pode resultar em baixa ingestão de alimentos ricos em carboidratos que, de forma indireta, pode favorecer a perda de peso.

Poucas pesquisas têm sido realizadas com o objetivo de investigar o papel da restrição ao glúten no emagrecimento. Recentemente, Soares e colaboradores, em 2013, realizaram um estudo em ratos com o objetivo de avaliar o efeito de uma dieta isenta de glúten sob o peso corporal, adiposidade, perfil inflamatório do tecido adiposo e homeostase da glicose. Os pesquisadores observaram efeitos benéficos de dietas sem glúten em reduzir o ganho de adiposidade, inflamação e resistência à insulina. Entretanto, os dados ainda são preliminares para justificar uma recomendação de restrição ao glúten entre os pacientes com excesso de peso.

De acordo com o parecer do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região (CRN-3), publicado em dezembro de 2011, “a recomendação de restrição de consumo de glúten deve ser destinada aos pacientes com diagnóstico clínico confirmado de doença celíaca, de dermatite herpetiforme, de alergia ao glúten, ou quando, eliminada a hipótese de doença celíaca, haja diagnóstico clínico confirmado de sensibilidade ao glúten (também denominada como intolerância ao glúten–não celíaca). Deve-se salientar que o diagnóstico clínico é de competência exclusiva do médico”. O documento ainda reforça que “o descumprimento dessa diretriz oferece indícios de infringência ao código de ética do nutricionista por desrespeito ao princípio fundamental explicitado no seu artigo 1º e pelo descumprimento do artigo 6º, inciso VI, sujeitando os infratores a processo disciplinar e às penalidades previstas na legislação”.

Bibliografia (s)

  1. Marcason W. Is there evidence to support the claim that a gluten-free diet should be used for weight loss? J Am Diet Assoc. 2011 Nov;111(11):1786.
  2. Diamanti A, Capriati T, Basso MS, Panetta F, Di Ciommo Laurora VM, Bellucci F, Cristofori F, Francavilla R. Celiac disease and overweight in children: an update. Nutrients. 2014 Jan 2;6(1):207-20.
  3. Soares FL, de Oliveira Matoso R, Teixeira LG, Menezes Z, Pereira SS, Alves AC, et al. Gluten-free diet reduces adiposity, inflammation and insulin resistance associated with the induction of PPAR-alpha and PPAR-gamma expression. J Nutr Biochem. 2013 Jun;24(6):1105-11.
  4. Kabbani TA, Goldberg A, Kelly CP, Pallav K, Tariq S, Peer A, Hansen J, Dennis M, Leffler DA. Body mass index and the risk of obesity in coeliac disease treated with the gluten-free diet. Aliment Pharmacol Ther. 2012 Mar;35(6):723-9.
  5. Conselho Regional de Nutricionistas – 3ª Região. RESTRIÇÃO AO CONSUMO DE GLÚTEN. Colegiado do CRN 3ª Região 2011-2014.


Fonte: http://www.nutritotal.com.br/perguntas/?acao=bu&id=781&categoria=11

sábado, 5 de julho de 2014

10 perguntas sobre o glúten e 10 respostas baseadas em evidências



1. O que é o glúten? 

Ele é uma proteína presente naturalmente em muitos cereais, como o trigo, o centeio e a cevada. Ou seja, não é uma invenção da indústria moderna, por exemplo, como foi o caso da gordura trans, só para fazer uma comparação. O glúten confere elasticidade na receita de diversos alimentos, caso típico do pão: ao sovar a massa, o padeiro cria as redes de glúten, estruturas capazes de aprisionar o gás carbônico expelido pelas leveduras do fermento. Assim, o pãozinho cresce e fica macio. "E o pão, você já sabe, é um dos alimentos mais antigos da humanidade, que se multiplicou e evoluiu sem problemas por consumi-lo", lembra o nutrólogo Mauro Fisberg, professor da UNIFESP.

2. O glúten poderia causar algum problema de saúde? 

Cerca de 1% da população mundial possui a doença celíaca. Nesse tipo de alergia, o glúten não é bem aceito pelo intestino. Quando ele chega ao órgão desses pacientes (e só neles), desencadeia uma reação do sistema imunológico, que destaca células de defesa para atacar a região. Nessa briga, acaba sobrando para as vilosidades intestinais, estruturas que são responsáveis por absorver os nutrientes da comida. Com as vilosidades inflamadas, claro que ela não é aproveitada da forma como deveria, bagunçando completamente o trânsito intestinal, para não dizer o estado nutricional daquele indivíduo. "Os sintomas mais comuns são diarreia, dor, distensão abdominal e inchaço", lista o gastroenterologista Alexandre Sakano, do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, na capital paulista. Mas, atenção, porque aqui estamos falando de uma doença específica que atinge uma em cada 100 pessoas. Histórias fantasiosas de que o glúten engorda até atrapalham a vida desses portadores. Imagine um doente celíaco que afirma, no restaurante da empresa, que não pode comer itens com glúten. Na toada das boatarias, esse sujeito é tomado como alguém interessado apenas em emagracer e não como portador de um problema que merece respeito e atenção.

3. Como a doença celíaca é detectada? 

O primeiro passo é procurar o médico, diante de sintomas como diarreia constante. Se for criança, o certo é levar ao pediatra. Se for adulto, o clínico-geral. Esses profissionais vão começar a investigação, fazendo a análise clínica do paciente. Se houver suspeita de doença celíaca, vale procurar um gastroenterologista, o especialista no sistema digestivo. Ele vai pedir um exame de sangue, para verificar a presença de anticorpos típicos da doença, e uma biópsia do intestino. Caso o distúrbio seja detectado, aí não tem jeito: é preciso cortar todos os alimentos com glúten da dieta. E o acompanhamento de um nutricionista é importante a fim de evitar desfalques de nutrientes importantes para a saúde.

4. Tem gente que acusa o glúten de estar envolvido com alergia, intolerância, sensibilidade, doença celíaca... A cada hora, usam um termo. Qual é o certo?

Quando se fala em doença celíaca, o uso do termo intolerância é equivocado. "Hoje em dia, intolerância ou sensibilidade ao glúten são palavras utilizadas para pacientes que apresentam mal-estar ao consumir alimentos com glúten e que não são celíacos", explica a nutricionista Mariana Del Bosco, mestre em ciências da saúde pela Universidade de São Paulo. Normalmente, quando um não celíaco se queixa depois de comer alimentos com glúten, como macarrão, cerveja e pão, recebe o diagnóstico de intolerante ao glúten. Diagnóstico, no mínimo, polêmico. “Isso porque não existe um consenso sobre as características desse distúrbio e ninguém pode nem sequer afirmar que ele existe”, completa Mariana. Ou seja: tem gente que se sente estufado depois de comer um macarrão, por exemplo. Ou de devorar um bolo. Mas pode ser que o problema seja causado pelos molhos e recheios gordurosos. Aliás, é bem mais provável.

5. Afinal, existe ou não existe intolerância ao glúten? 

O assunto é controverso. Alguns especialistas dizem que sim, mas muitos outros garantem que não. Um estudo recém-publicado da Universidade de Monash, na Austrália, levanta questões sobre a existência da tal intolerância ao glúten. Os cientistas recrutaram 37 voluntários que se diziam sensíveis à proteína do trigo e da aveia. Na primeira semana, todos receberam uma dieta rica em carboidratos de difícil digestão. Na semana seguinte, eles foram divididos em três grupos. O primeiro recebeu uma alimentação cheia de glúten, o segundo, refeições com pouco glúten e o terceiro fez uma dieta com zero da proteína. Detalhe: ninguém sabia em qual das turmas tinha caído. No período da experiência, os participantes das três turmas reportaram piora dos sintomas gastrointestinais - mesmo aqueles que não haviam travado contato com uma mísera molécula de glúten. Os autores desse trabalho sugerem com veemência que um forte efeito psicológico possa estar por trás da tal intolerância tão divulgada por aí. E o mais curioso é que o autor da pesquisa, o gastroenterologista Peter Gibson, havia conduzido uma experiência em 2011 que havia comprovado a existência da tal sensibilidade ao glúten. Mas nem ele, que foi um dos primeiros a levantar essa bola, estava satisfeito com os resultados. Sim, a cabeça também conta muito na hora de sentir a barriga pesar. Principalmente quando todo mundo fica encontrando um réu por aí.

6. Há um aumento do número de casos de doença celíaca, o único motivo real para cortar o glúten? 

Seria por isso que agora todo mundo parece passar mal com essa proteína ou ficaria imaginando passar mal? Os médicos entrevistados por SAÚDE não percebem um crescimento dos diagnósticos de celíacos. "A taxa de indivíduos com a doença permanece completamente estável", analisa o pediatra e nutrólogo Mauro Fisberg, professor da Universidade Federal de São Paulo e do Hospital Infantil Sabará, na capital paulista. "O que aumentou foi a qualidade dos testes e exames que detectam o problema", explica. Mas nem isso, diga-se, fez as taxas subirem...

7. Vale cortar o glúten do cardápio sem consultar um médico? 

De jeito nenhum. De acordo com os especialistas, alimentos ricos em glúten, dentro de uma dieta equilibrada, trazem inúmeros benefícios para a saúde. "Eles ajudam a controlar a glicemia e os triglicérides, aumentam da absorção de vitaminas e minerais, melhoram a flora intestinal e deixam o sistema imunológico mais forte", lista o endocrinologista Marcello Bronstein, professor de endocrinologia e metabologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Quem gostaria de perder esse pacote de vantagens? O segredo está no equilíbrio das porções. Retirar o glúten só é indicado quando o médico mandar, isto é, no caso de doença celíaca.

8. Alimentos livres de glúten são mais saudáveis? 

Nem sempre - apesar de parecerem, no imaginário das pessoas. Pesquisadores da Universidade de Houston, nos Estados Unidos, mostraram que acrescentar palavrinhas mágicas nos rótulos - "antioxidante", "orgânico" e, claro, diante de tanto bafafá sem base científica, "livre de glúten" - torna o produto mais saudável do que ele realmente é, pelo menos na cabeça do consumidor. "E o fato de um alimento ser livre de glúten não significa que ele seja menos calórico", faz questão de observar Bronstein.

9. O glúten pode estar por trás da obesidade, supeita que andou sendo levantada por aí?

Cortar o glúten da dieta emagrece. Ora, o indivíduo vai deixar de comer as principais fontes de carboidrato de sua dieta, como pão, bolo, doces... Uma ingestão menor de calorias vai resultar em decréscimos na balança. Ou seja, diminuir calorias faz diminuir quilos na balança. E não por retirar o glúten. Você poderia emagrecer do mesmo jeito se retirasse açúcar, gorduras, qualquer outra substância muito presente em... comida que tende a ser mais calórica, claro. "Dietas sem glúten são modismos puros", diz Bronstein. Por outro lado, um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais, realizado no ano passado, dividiu ratinhos em dois grupos: o primeiro recebeu uma dieta rica em glúten, enquanto a segunda turma passou por uma dieta livre da proteína. Ao final da pesquisa, aqueles que não travaram contato com os cereais tiveram uma redução na gordura, inflamação e resistência à insulina. Vale lembrar que a experiência foi pequena e novas investigações serão necessárias para comprovar a tese. E é um dos únicos trabalhos do planeta nessa linha. "A obesidade é uma doença multifatorial. Se ela fosse causada por uma única proteína, como o glúten, resolveríamos o problema facilmente", explica Fisberg. Pena, então, que a missão de emagrecer um mundo cada vez mais rechonchudo parece ser mais complicada.

10. O glúten mudou nas últimas décadas? 

Uma das explicações usadas para banir o glúten da dieta diz que a proteína sofreu algumas modificações maléficas a partir da década de 1960. O pai da teoria é o cardiologista americano William Davis, autor do livro “Barriga de Trigo”, que já vendeu mais de 1,8 milhão de exemplares e figura há algum tempo na lista de mais vendidos do jornal New York Times. De acordo com a versão, os cruzamentos de espécies de trigo realizados pelo agrônomo Norman Borlaug (1914 – 2009) causou drásticas - e prejudiciais - alterações na estrutura do glúten. Essas mudanças estariam aumentando os casos de diabete, pressão alta e obesidade. “Porém, não existe a menor evidência científica sobre isso. Nenhum trabalho demonstrou que essa hipótese seja verdadeira”, critica Fisberg. É outra voz isolada no universo da ciência. Mas uma voz que tem conseguido espaço para se fazer ouvida. É válido, dentro de um contexto, conhecendo todos os estudos a respeito.

Fonte: http://m.mdemulher.abril.com.br/saude/10-perguntas-gluten-10-respostas-serias-ciencia-788594

terça-feira, 1 de julho de 2014

DETOX: como funciona uma detox de verdade ? Verdades e mitos...



Atualmente fala-se muito em dieta detox, programas de detoxificação, desintoxicação e etç. Afinal, o que é verdade e o que é mito ? Existe um capítulo sobre o tema na principal referência de farmacologia (GONZALES, FJ, et al. Metabolismo de fármacos. In: BRUNTON L, CHABNER, B, KNOLLMAN,  B. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman & Gilman. 12ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2012. Cap 06,  p.123-142. ) O "Goodman" é adotado pela maioria das universidades de medicina e farmácia de todo o mundo. Então sejamos científicos.

Primeira pergunta: Detox existe?

Sim, existe, não da forma como é propagada, de maneira sensacionalista. O termo mais correto seria destoxificação.  Na destoxificação podemos eliminar tanto xenobióticos, fármacos quanto substâncias endógenas (exemplo hormônios, neurotransmissores). O termo desintoxicação ficaria mais ligado a desintoxicação metabólica de drogas = Metabolic Detoxication, Drugs: “redução da atividade farmacológica ou da toxicidade de uma droga (ou outra substância estranha) por um sistema vivo, geralmente por ação enzimática”.

Segunda pergunta: As pessoas querem desintoxicar de que ? 

Drogas? Vai pra clínica de reabilitação.
Metais tóxicos?  Hospitais fazem processo de quelação.
Venenos? Toxicologistas são especialistas nisso.

Agora Desintoxicar de "Jacadas" de final de semana, carnaval, feriados, final de ano? Isso seu organismo faz muito bem, sozinho, sem custo nenhum, basta você fornecer os substratos para que as reações ocorram.

Mas me falaram...

Ah te falaram que você tem xenobióticos e que eles podem causar doenças, então você precisa fazer DETOX? Os tais falados xenobióticos são substâncias estranhas ao nosso corpo e nosso corpo sabiamente consegue por mecanismos eficazes metabolizá-los e eliminá-los.

O processo de Destoxificação

O tal processo de DESTOXIFICAÇÃO englobaria 3 estágios: 2 fases de metabolização e 1 fase de eliminação.

Geralmente esses xenobióticos são APOLARES, ou seja, substâncias lipossolúveis (hidrofóbicas) e para que sejam excretadas precisam sofrer adição de algum componente químico para se tornarem POLARES, Hidrossolúveis, portanto facilmente excretadas via BILE (via intestinal), Renal (urina) e com um peso molecular menor.

Resumindo Destoxificação: “Trata-se de um processo que envolve múltiplas reações bioquímicas com a utilização de múltiplos substratos e dependente de cofatores enzimáticos” Ou seja, no meio desses cofatores entram vários nutrientes que nosso corpo necessita, teoricamente aí que entraria a tal dieta detox.

Mas será que precisamos mesmo de uma Dieta para metabolizar tais substâncias. A resposta é SIM. Precisamos de uma dieta EQUILIBRADA (aqui não inclui suplementos, é apenas alimentação), com todos os nutrientes para que o nosso corpo consiga fazer o tal Detox. Mas não só com nutrientes se faz uma detox.

As fases da destoxificação

Fase 1: nela ocorre uma  biotransformação ou bioativação.
Objetivo: introduzir um novo grupo funcional para modificar o grupo existente, além de fazer a exposição do receptor para a conjugação da fase II.
Nessa fase utiliza-se principalmente de um sistema de enzimático chamado Citocromo P450. Ele é composto por várias isoenzimas e que para funcionarem bem, precisam principalmente dos seguintes nutrientes:

  1. Ferro (principal fonte  são as carnes)
  2. Colina (principal fonte é o ovo), 
  3. B2 (principal fonte é fígado bovino, além de aveia (vixi tem glúten) e amêndoa), 
  4. B3 (principais fontes são as carnes e amendoim)

Tem um adendo importante com relação ao Citocromo P450. Muitas das substâncias fitoquímicas utilizadas nos chás “detox” podem alterar o funcionamento das isoenzimas (CYPs) e com isso alterar de forma negativa o processo natural de detoxificação.  É muito comum utilizarem o chá verde na detox. Seria interessante isso? Usado milenarmente somente agora os pesquisadores estão mostrando que esse chá pode ter seus riscos. Pode por exemplo levar a insuficiência hepática aguda. Pode também por conter cafeína causar agitação, insônia. Quem metaboliza a cafeina é uma isoenzima do citocromo P450 chamada CYP1A2. Algumas pessoas possuem uma baixa de detoxificação pela CYP1A2 e com isso apresentam um aumento nos sintomas de insônia e agitação após o consumo de cafeína.

Após a fase 1 forma-se metabólitos intermediários que levam a produção de radicais livres, dano aos tecidos e precisam ser neutralizados. Mais uma vez: Dieta balanceada dá conta do recado.

Nutrientes envolvidos:
  1. Betacaroteno (Fontes: cenoura, abóbora)
  2. Vitamina C (Fontes: acerola, laranja, todas as frutas cítricas)
  3. Vitamina E (Fontes: óleo de gérmen de trigo (vixi, tem glúten), oleaginosas)
  4. Selênio (Fonte: Castanha do Pará)
  5. Zinco (Fontes: carne, ostras, oleaginosas)
  6. Manganês (Fontes: gérmen de trigo (vixi, mais glúten), oleaginosas, aveia (mais glúten).
  7. Enxofre (Fontes: alho, cebola, couve, repolho).
  8. Ácido fólico: (Fontes: fígado, lentilha, quiabo, feijão, espinafre)
  9. Vitamina B12 (Fontes: alimentos de origem animal)
Mas a detox geralmente não é sem proteína animal? E nos vegetais esses nutrientes estão em quantidade menor ? Sim, mas mesmo assim tem gente que insiste em acreditar que pílulas desses nutrientes, dieta líquida e ausência de proteína animal será mais eficiente que uma alimentação balanceada.

Fase 2: Fase na qual ocorre conjugações.
Objetivo: transformar as toxinas ativadas (metabólitos intermediários) na fase I em moléculas hidrossolúveis – BIOINATIVAÇÃO.

As principais reações que ocorrem são:
  1. Sulfatação: conjugação com sulfato inorgânico
  2. Acetilação: conjugação com acetil-CoA
  3. Acilação: conjugação com glicina, taurina, ou glutamina
  4. Glicuronidação: conjugação com ácido glicurônico
  5. Metilação: conjugação com grupo metil - SAME
  6. Conjugação com glutationa
Essas reações são dependente de enzimas que por sua vez são dependentes de nutrientes. Quem mais auxilia na conjugação é a Glutationa, uma substância formada pela junção de 3 aminoácidos: ácido glutâmico,glicina, cisteína. Fontes principais dos 3? Proteínas.  A pergunta que fica, então porque uma dieta mais líquida?

Nutrientes da fase 2: estarão relacionado a cada uma das reações.
  1. Vitamina C (Fontes: acerola, laranja, todas as frutas cítricas)
  2. Selênio (Fonte: Castanha do Pará)
  3. Zinco (Fontes: carne, ostras, oleaginosas)
  4. Molibdênio: (Fonte: lentilha, feijão, amêndoa, amendoim)
  5. Enxofre (Fontes: alho, cebola, couve, repolho).
  6. Ácido fólico: (Fontes: fígado, lentilha, quiabo, feijão, espinafre)
  7. Vitamina B12 (Fontes: alimentos de origem animal)
  8. Magnésio (Fontes: oleaginosas, caju, acelga, espinafre)
  9. Colina (principal fonte é o ovo), 
  10. B5 (Fontes: fígado de frango, oleginosas, cogumelos, cottage, ovo, abacate).
  11. Taurina: (Fontes: carnes e peixes, também podendo ser sintetizada através da cisteína combinada com B6, Zinco e manganês).
Mas não é somente Nutrientes que podem auxiliar na fase 2. Quem tem papel fundamental na melhora do processo de destoxificação? TREINAMENTO. 

Quer fazer detox e não quer malhar? FURADA, BURRADA. Ao invés de na segunda entrar na detox, opte por ir malhar (tem mais evidências científicas do que dietas líquidas, desequilibradas, laxativas). A prática regular de atividade física melhora os níveis de Glutationa e outras enzimas antioxidantes. O processo de adaptação à atividade física leva a um aumento dos níveis da Glutationa S-Transferase (essencial pro processo de destoxificação). alguns hormônios que sobem com o treinamento (como cortisol e testosterona) melhoram os níveis de Sulfotransferases, essenciais pra fase 2.Além disso, a prática regular de atividade física associado a dieta equilibrada (rica em cisteína e zinco (carne novamente?)) favorece a formação de Metalotioneínas que são substâncias que poupam a sua glutationa e auxiliam na fase 2. Fontes científicas existem várias:
  1.  LEEUWENBURGH,C.et al. Adaptations of glutathione antioxidant system to endurance training are tissue na muscle fiber especific. Am J Physiol.
  2. 272:363-369-1997
  3. LAUGHLIN,M.H. et al.Skeletal muscle oxidative capacity, antioxidant enzymes, and exercices. J Appl Physio, 68(6):2337-2343,1990
  4. MAITI,S.et al. Stress regulation of sulfotransferases in male rat liver. Biochem Biophys Res Commun, 323(1): 235-242,2004
  5. CARLI,G. ET AL. Changes in the exercise-induced hormone response to branched chain amino acid administration. Eur J Appl Phys,64:272-277,1992.
  6. PENKOWA,M. et al.Exercise –induced metallothionein expression in human skeletal muscle fibres. Exp Physiol, 90(4):477-486,2005.
  7. HAIDARA, K. ; MOFFATT. P; DENIZEAU,F. Metallothionein induction induction attenuates the of glutathione depletors in rat hepatocytes. Toxicol Sci, 49(2):297-305,1999.
Fase de excreção

Na fase de eliminação (excreção) o peso molecular determinará por onde o metabólito sairá, se:
  1. Peso molecular >500 daltons sairá pela Bile (depois fezes)
  2. Peso molecular <500 daltons sairá pela Urina
Mas e quem interfere no nosso processo natural de destoxificação? 
  1. Jejum 
  2. Dieta de baixa caloria (Dieta detox é de baixíssima caloria)
  3. Dieta pobre em proteínas (Dieta detox geralmente restringe proteína animal)
  4. Deficiência de aminoácidos, vitaminas e minerais (Dieta detox é deficiente principalmente em vitamina B12 e se for sem carne terá uma quantidade bem menor de determinados aminoácidos cruciais para o processo)
Justamente o que mais se vê nas dietas detox. Então elas estariam auxiliando ou atrapalhando o processo natural de destoxificação ?

Que o processo de destoxificação existe: OK, há evidências científicas sólidas.
Que esse processo é dependente de nutrientes: Ok, tanto na fase 1 quanto na fase 2 eles entram como co-fatores de todo o processo.
Que esses nutrientes podem ser adquiridos apenas com alimentação: Ok, visto as fontes de maior biodisponibilidade

Mas e os estudos que mostram que alguns compostos podem agir na fase 1 e na fase 2? Como o quadro abaixo lista, a maioria dos estudos de referência foram realizados em ratos. Será que podemos extrapolar para humanos? Menos mal que esses fitoquímicos estão em diversos vegetais e frutas.


Problemática da dieta detox

1. Dietas líquidas ou pastosas: na grande maioria das vezes nutricionalmente desequilibradas.
2. Retirada de proteínas animais: o que leva a déficit de proteínas. Faz detox e perde massa magra.
3. Efeito laxativo pela alta ingestão de refeições líquidas/pastosas (daí muita gente acreditar que sente-se mais leve. É ÓBVIO que sente-se mais leve. Tenha uma diarréia pra ver se não se sente mais leve! Facilite a sua digestão utilizando alimentos semi-digeridos, obviamente terá a sensação de leveza.
4. Perda de peso: Muito diferente de emagrecer. Perde-se líquido via retal (amolecimento das fezes e muitas vezes diarréia = efeito laxativo) e massa magra. Somado a isso há o aumento da diurese pela alta ingestão hídrica e de chás com ação diurética.
5. Sensação de tranqüilidade, ilusória: Jacou o final de semana inteiro, tem que arrumar uma forma de se martirizar e aliviar a culpa (criando uma relação doentia com a comida). Solução? Dieta detox por 1 semana. É igual pecador que recorre ao padre pra confessar, reza e pronto, estamos quite.
6. Fraqueza/astenia: Geralmente devido à  privação de nutrientes, tais pacientes ficam fracos e não conseguem treinar nos dias em que estão no detox. Se vão treinar, podem sentir mal-estar, hipoglicemia, vertigem, náuseas.

Portanto, confie no seu corpo, ele sabe naturalmente Destoxificar. Você só precisa:
  1. BEBER ÁGUA, 
  2. COMER ADEQUADAMENTE (com o aporte de todos os nutrientes)
  3. TREINAR REGULARMENTE, 
  4. DORMIR 
  5. EVITAR SE INTOXICAR: álcool em excesso, cigarro, drogas, auto-medicação, uso de suplementos sem supervisão, ingestão de alimentos com agrotóxicos. 
Bibliografia:
  1. GONZALES, FJ, et al. Metabolismo de fármacos. In: BRUNTON L, CHABNER, B, KNOLLMAN,  B. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman & Gilman. 12ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2012. Cap 06,  p.123-142.
  2. LEVIN, B. Environmental Nutrition, 1999.
  3. COZZOLINO, S. Biodisponibilidade de nutrients. 4ª Ed. Barueri – SP. Manole. 2012
  4. LISKA, J.A. The detoxification Enzyme Systems . Altern Med Rev ; vol 3, p. 187-198, 1998.
  5. WILLIAMS, D.A. LEMKE, T.L. Foye’s Principles of Medicinal Chemistry, 2003
  6. FABER, M.S.; JETTER, A.; FUHR, U. Assessment of CYP1A2 activity in clinical practice: why, how, and when? Basic Clin Pharmacol Toxicol; 97(3):125-34, 2005
  7. LEEUWENBURGH,C.et al. Adaptations of glutathione antioxidant system to endurance training are tissue na muscle fiber especific. Am J Physiol. 272:363-369-1999.
  8. LAUGHLIN,M.H. et al.Skeletal muscle oxidative capacity, antioxidant enzymes, and exercices. J Appl Physio, 68(6):2337-2343,1990.
  9. MAITI,S.et al. Stress regulation of sulfotransferases in male rat liver. Biochem Biophys Res Commun, 323(1): 235-242,2004.
  10. CARLI,G. ET AL. Changes in the exercise-induced hormone response to branched chain amino acid administration. Eur J Appl Phys,64:272-277,1992.
  11. PENKOWA,M. et al.Exercise –induced metallothionein expression in human skeletal muscle fibres. Exp Physiol, 90(4):477-486,2005. 
  12. HAIDARA, K. ; MOFFATT. P; DENIZEAU,F. Metallothionein induction induction attenuates the of glutathione depletors in rat hepatocytes. Toxicol Sci, 49(2):297-305,1999.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Análise da composição corporal por Bioimpedância em Goiânia

A Bioimpedância ou Impedância Bioelétrica (BIA) é um método de análise da Composição Corporal (CC).
Apesar de não ser considerado padrão-ouro para análise da CC foi considerado pelo Consenso Latino Americano de Obesidade como um método apurado para avaliação da CC. Com os dados dessa avaliação, é possível fazer o correto diagnóstico de peso corporal, avaliando se a pessoa está inchada (edemaciada ou retendo líquido) ou se é excesso de peso realmente.

Com base nesse exame, o cardápio é melhor elaborado e as metas são melhores atingidas.

Além disso o acompanhamento fica mais completo, já que o médico consegue acompanhar se a massa magra ou massa gorda aumentou/diminuiu.

Entretanto para que a análise seja feita correta, faz-se necessário seguir alguns protocolos.

Quais as vantagens da BIA ?
A BIA é um método não invasivo, rápido, com boa sensibilidade, indolor, usado para avaliar a CC, baseado na passagem de uma corrente elétrica (totalmente indolor) de baixa amplitude (500 a 800 mA) e de alta freqüência (50 kHz), e que permite mensurar os componentes resistência (R), reatância (Xc), impedância (Z) e ângulo de fase. Termos difíceis para um leigo, mas resumindo, de posse destes parâmetros o aparelho consegue calcular:

  1. A Real % Gordura Corporal e  o Peso Gordura
  2. A % de massa magra e Peso da massa magra corporal
  3. O peso total
  4. A % Água Corporal
  5. Taxa Metabólica Basal (TMB) – quanto você gasta em calorias por dia para manter-se vivo e em repouso.
  6. O Índice de Massa Corporal (IMC)

Como se faz a BIA ?
Existe um protocolo sugerido por pesquisadores o qual a marca InBody preconiza como fundamental para uma análise correta da CC.

  1. Suspender o uso de medicamentos diuréticos de 24 horas a 7 dias antes do teste
  2. Estar em jejum de pelo menos 4 horas
  3. Estar em abstinência alcoólica por 48 horas
  4. Evitar o consumo de cafeína ou qualquer termogênico (chá-verde, chá-mate, coca-cola, guaraná em pó, chocolate) 24 horas antes do teste
  5. Estar fora do período pré menstrual e menstrual
  6. Não ter praticado atividade física nas últimas 24 horas
  7. Ter bebido pelo menos 2 litros de água nas últimas 24 horas
  8. Urinar pelo menos 30 minutos antes da medida
  9. Permanecer pelo menos 5 -10 minutos de repouso absoluto em posição de decúbito dorsal antes de efetuar a medida
Durante o exame, como já dito acima, uma corrente elétrica passa pelo corpo através de dois pares de eletrodos (adesivos) colocados na mão e no pé direito. O exame é totalmente indolor. Quanto maior é o percentual de gordura, maior é a dificuldade para a corrente elétrica atravessar o corpo.

Existe alguma contra-indicação para realizar a BIA ?
Contra-Indicação absoluta para a realização do teste: portadores de marcapasso e gestantes.

Por que utilizar a BIA no emagrecimento ou quando se quer ganhar massa magra ?
A grande vantagem da BIA é nos processos de emagrecimento. Hoje ja se sabe que perda de peso não é sinônimo de emagrecimento, muitas vezes o paciente perde massa gorda (gordura), ganha massa magra e o peso não altera na balança (as vezes até aumenta). Com a análise pela BIA as chances de uma interpretação errônea é menor. Um outro exemplo é quando o paciente apresenta alto IMC, não se acha tão gordo e aí a BIA evidencia que há uma grande % de massa magra, sendo assim a quantidade de gordura a ser perdida não é a que era estimada de acordo com o IMC.

Considerações importantes sobre a BIA
Além de seguir o correto protocolo, faz-se necessário que o aparelho seja de boa qualidade e esteja calibrado. No Brasil a Ottoboni é representante da maior marca de BIA do mundo, a InBody. Portanto os aparelhos InBody possuem validação científica, sendo chancelados pelas maiores Instituições do Brasil, como a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e GANEP.

Qualquer aparelho de BIA é fidedigno para análise da CC ?
Não. Quanto maior a tecnologia (número de polos, segmentos e frequências) melhor a acurácia do teste. Nosso aparelho é da marca InBody, tetrapolar, multisegmentar, multifrequencial. O exame dura cerca de 10 minutos e o resultado é impresso na hora.





Como o laudo é impresso?


Quem realiza o exame?
Dr. Frederico Lobo (CRM-GO 13192 | RQE 11.915), médico, clínico geral, especialista em Nutrologia. Onde? Na clínica Medicare, situada na rua 115H, nº 31, Setor Sul. Fone: (62)  99233-7973.

sábado, 5 de abril de 2014

1 agrotóxico: 10 mil animais


No dia 23/01/14, São Paulo tornou-se o primeiro estado Brasileiro a proibir o uso de animais para avaliação de segurança de cosmético. Não apenas cosméticos, usam animais para avaliação de segurança humana, mas também medicamentos e agrotóxicos.  Agrotóxicos são considerados extremamente relevante no modelo de desenvolvimento na agricultura no País. Colocando o Brasil o maior consumidor de produtos agrotóxicos no mundo. Em decorrência da significativa importância, tanto em relação ao uso e toxicidade. (Ministério do Meio Ambiente, 2014)

Na avaliação de segurança de um único agrotóxico usa-se em torno de 10 mil animais ao fim de obter informação como: mutagenicidade, carcinogenicidade, efeitos na reprodução, irritação e corrosão dérmica - ocular, DL50 e toxicidade inalatória.
A pergunta que não quer calar: é necessário mesmo o uso de tantos animais para obtenção de informações para a humanidade? A resposta é clara e objetiva. Não! 

No mundo todo, existem agências reguladoras para a substituição de uso de animais na experimentação de produtos. Atualmente, alguns modelos de métodos alternativos ao uso de animais são validados e aprovados por diretrizes como OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e centros internacionais que coordenam e avaliam métodos com intuito de substituir testes em animais, ECVAM (Centro Europeu de Validação de Métodos Alternativos). E por que o Brasil não usam então esses testes para esses tipos de avaliação? Essa resposta já é um pouco complicada. A ciência coloca os parâmetros que já foram seguidos  em outros países. O problema é que a regulação dos agrotóxicos está subordinada a um conjunto de interesses políticos e econômicos. 

No dia 2 de Abril de 2014, Brasília-DF, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) junto ao RENAMA (Rede Nacional de Métodos Alternativos), CONCEA (Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal), BraCVAM (Centro Brasileiro de Validação de Métodos Alternativos) e SBMALT (Sociedade Brasileira de Métodos Alternativos á Experimentação Animal) realizaram um Workshop Internacional com o objetivos de discutir maneiras de implementar esses métodos as grandes empresas produtoras de agrotóxicos, e também, solicitar um posicionamento da ANVISA frente ao grande e desnecessário uso de animais em testes.
(ANVISA, 2014): A falta de conhecimento e medo pela mudança faz com que nós tenhamos um pé atrás frente aos métodos alternativos.

É mais fácil usar um animal e observar o que acontece com ele, do que padronizar, implementar e aplicar um método in vitro. A sociedade brasileira precisa ter conhecimento sobre tais interesses políticos e econômicos ao uso indevido de tantos animais para pesquisa. Solução a academia científica tem. Interesses governamentais não.

“a questão não é se os animais raciocinam ou se eles podem falar, mas se eles sofrem“. Marchall Hall

Autor: Rafael Ducas ( @rafaducas ) - Farmacêutico e bioquímico. Mestrando em Toxicologia Universidade Federal de Goiás. Ênfase em pesquisa de métodos alternativos a uso de animais a experimentação

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Ovo


Um estudo publicado em 2011 no European Journal of Clinical Nutrition, seguiu 14185 indivíduos ao longo de 6 anos e constatou que não havia diferenças entre os grupos estudados no que toca a doença cardiovascular (infarto agudo do miocárdio, AVC ou cirurgia cardíaca e revascularização).Os grupos foram divididos conforme o consumo de ovo: 1) nenhum ovo por semana, 2) 2 a 4 ovos por semana e 3) 4 por semana. Foram avaliados 2 vezes ao ano durante 6 anos. Após ajuste para confundidores como sexo, idade, calorias ingeridas, adesão à dieta mediterrânica e outros fatores de risco cardiovascular, não foi encontrada qualquer associação entre o consumo de ovo (muito ou pouco) e as doenças cardiovasculares

Outro estudo, publicado em 2010 no Nutrition Journal buscou verificar o efeito do uso moderado (2 a 3 ovos por dia) na função endotelial e nos níveis de coltesterol e triglicérides em pacientes já portadores de dislipidemia. O estudo conclui que uso moderado de ovos (2 a 3/dia) não alterou função endotelial e dislipidemia de adultos dislipidêmicos.

O link pros 2 estudos está aqui nesse texto do meu blog: http://www.ecologiamedica.net/2011/05/ovos-colesterol-e-risco-cardiovascular.html

Infrações éticas

Para os colegas médicos: RESOLUÇÃO CFM Nº 1.974/2011 (Publicada no D.O.U. de 19 de agosto de 2011, Seção I, p.241-244) ➡ É VEDADO AO MÉDICO : " g)  Expor a figura de seu paciente como forma de divulgar técnica, método ou resultado de tratamento, ainda que com autorização expressa do mesmo, ressalvado o disposto no art. 10 desta resolução; "

Para os colegas nutricionistas:

Sejamos éticos ! Tenhamos compaixão pelo próximo.

Glúten, mito ou realidade?

Dentro do exercício da Medicina Baseada em Evidências não há evidências científicas que a retirada do glúten da alimentação promova perda de peso. Emagrecer é uma equação entre o que ingerimos e o que gastamos, resumindo de forma simplista (claro que há inúmeras variáveis envolvidas).

Precisamos reduzir a ingestão calórica dos alimentos e/ ou aumentar exercício físico (Gasto energético), promovendo balanço energético negativo.

A questão é: NÃO existe NENHUM estudo científico confiável em humanos mostrando que o grupo que cortou glúten emagreceu mais. Apenas poucos estudos com ratos. A maioria esmagadora de artigos na área são apenas ligados a exclusão de glúten em celíacos.

Talvez esteja na hora de realizarem pesquisas em humanos. Por que digo isso? Porque a ciência fala uma coisa, mas prática clínica  muitas vezes fala o oposto. Inúmeras vezes vi pacientes perdendo peso após a retirada do glúten, mesmo em dietas com a mesma quantidade de calorias. E aí ? Tem gente que se beneficia, tem gente que não. Sem contar que muitas vezes a tal "dieta sem glúten e sem lactose" pode até gerar estresse pela restrição dietética (sim, vários pacientes relatam que ficaram estressados pois acham difícil ficar controlando a seleção dos alimentos isentos de glúten e lactose).

Cortisol e contraceptivos: O mito do falso cortisol elevado por Dr. Flávio Cadegiani

Chega muito ao meu consultório a queixa de “cortisol elevado”. Normalmente são mulheres que usam anticoncepcional e que passaram por médicos ou nutricionistas que atribuíram a elevação do cortisol ao “perfil estressado” ou com “problemas pessoais” dessas mulheres.

Contudo, existe um detalhe nestas histórias que mudam completamente o cenário. O uso do anticoncepcional. Mas como assim?

O anticoncepcional, por exemplo, diminui a libido de muitas mulheres. E pelo mesmo motivo.
Estes hormônios, principalmente via oral, aumentam as proteínas e globulinas carreadoras de hormônios. Então uma parte maior dos hormônios circulantes estarão ligadas a estas partículas. E com isso, uma pequena parte somente estará livre para agir. Somente a fração livre dos hormônios tem ação biológica.

Com isso, existe o aumento da CBG (cortisol binding globulin, ou globulina carreadora do cortisol), diminuindo a fração livre do cortisol. Assim, o corpo nota essa “baixa” do total de cortisol “ativo” e por homestase manda produzir mais. Com isso, a concentração de cortisol total no sangue aumenta, porém sem ter aumento da fração livre. Por isso o cortisol na sangue (que mede somente o total) dá alto. Nestes casos, eu sempre sugiro confirmar a falsa elevação pelo cortisol salivar, que mede praticamente só a fração livre, e é feito por todos os laboratório e coberto pelo convênio.

Do mesmo modo, ocorre aumento do SHBG (sex hormones binding globulin ou globulina carreadora de hormônios sexuais) que se ligam à androgênios e diminuem a quantidade de testosterona livre, causando queda da libido de muitas mulheres.

Abraço,

Dr. Flávio Cadegiani CRM-DF 16.219
Endocrinologista com residência médica e título de especialista pela SBEM
Fellow em Adrenal pela Unifesp

Whey virou farinha ?

Páscoa só tem uma vez ao ano e o ser inventa de comer ovo com whey. Acho sem noção essa onda de receitas com whey. Salgado com whey... o problema é proteína?

Comida de verdade tem aos montes, a tabela abaixo (baseada na TACO 2011) mostra a quantidade de proteína existente em 100g dos respectivos tipos de carne. Além de ganhar proteína ingere fibras, minerais (Zinco, Magnésio, Manganês, Molibdênio), Vitaminas (Vitamina K2, Vitaminas do complexo B em especial B12), acidos graxos (ômega 3, 6).

Daqui uns tempos existirá até pasta de dente de whey.

#ComaComida #ComidaDeVerdade

domingo, 9 de março de 2014

Afinal, carne faz bem ou mal?


Um estudo recente publicado na revista Cell Metabolism associa o alto consumo de proteína animal (carne, leite e queijo) ao risco de morte por câncer. Esse risco seria comparável ao prejuízo do tabagismo à saúde.

O estudo observacional acompanhou aproximadamente 6.500 pessoas por 18 anos. Os malefícios da proteína em excesso só valeriam para quem tem entre 50 e 65 anos, para os mais velhos teria efeito protetor. A explicação estaria no hormônio do crescimento IGF-1, que tem sido relacionado à morte por câncer. Vieses da pesquisa:

1) Ela não detalha os cruzamentos da quantidade de proteína consumida pelos entrevistados com os demais componentes da dieta. Na atualidade já foram identificados 24 mil micronutrientes presentes em vegetais que teriam um efeito protetor contra o câncer. Uma alimentação balanceada poderia neutralizar as substâncias cancerígenas.

2) Não discrimina se a proteína ingerida veio de carne vermelha, peixe, frango ou mesmo queijo e leite.

3) Ainda, a diferença entre os hábitos alimentares dos americanos e dos brasileiros deve ser considerada.

4) Questão metodológica: por se tratar de um estudo observacional, ele não permitiria chegar a conclusões de causa, nem a números absolutos.

Minhas observações:

1) A proteína presente na carne é composta por aminoácidos. Em nosso corpo, os aminoácidos podem ser metabolizados para aminas biogênicas. Na presença de nitritos, (usados para conservar a carne, se não for carne fresca), essas aminas geram nitrosaminas, substâncias cancerígenas. O ferro presente na carne é capaz de aumentar ainda mais a taxa de formação de nitrosaminas a partir da amina da carne. Já a Vitamina C presente nos vegetais diminui a formação dela, assim como outros micronutrientes. A formação de nitrosaminas ocorre predominantemente no estômago e intestino, e a relação com o câncer de estômago já está bem elucidada.

2) Os malefícios da carne vermelha e do frango estão muito mais ligados ao modo de preparo. Um estudo da Universidade de Illinois (EUA) descobriu que métodos de preparo que criam uma crosta (bordas crocantes de carnes preparadas a altas temperaturas) produzem proteínas chamadas “produtos de glicação avançada” (AGE); vale lembrar que as crostas de carboidratos também formam acrilamida (também é produzida pela Reação de Maillard) que levam à formação de AGEs. Esses AGEs por sua vez favorecem um estado pró-inflamatório no corpo, favorecendo doenças que possuem na sua fisiopatologia um processo inflamatório. Além disso, esse “tostadinho” da carne e dos carboidratos, leva a formação de aminas heterocíclicas (AH), hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA) e acrilamida. A formação das AH ocorre pela pirólise de certos aminoácidos, entre os quais triptofano, lisina, ácido glutâmico e fenilalanina, ou pela reação entre creatina e os AGES. Atualmente vem sendo analisada a correlação entre a ingestão de AH e a incidência de câncer de mama, cólon e próstata. Em animais, as AH provocam neoplasias malignas em glândulas mamárias, próstata, pulmão, cólon, pele, pâncreas, bexiga e fígado. Já os HPA são gerados principalmente em processos de combustão e pirólise de matérias orgânicas (nesse caso a carne), constituindo um grupo considerado altamente carcinogênico ou genotóxico. Durante o processo de assar a carne na brasa, a gordura é pirolisada pela ação da chama direta na carne, assim como pelo calor do carvão, gerando os HAP cancerígenos.

3) Métodos mais tradicionais de se fazer carne, como carne refogada ou ensopada, não carregam esse risco.

4) O estudo fala de consumo excessivo de proteína animal. Bem, quem tem consumo excessivo de qualquer grupo alimentar que seja, provavelmente não segue uma dieta equilibrada e supervisionada por nutricionista. Existe um grande viés. Pode ser que estes que consomem em excesso, também tenham hábitos de vida não-salutares: sedentarismo, tabagismo, etilismo não-social, baixo consumo de vegetais, carboidratos refinados, gordura trans. Já aqueles que retiram proteína animal da dieta, geralmente possuem hábitos de vida mais salutares. E como foi um estudo observacional esses vieses não foram analisados.

5) A associação de que carne causaria câncer começou na década de 70 com o Dr. Ernest Wynder. Ele alegava que existia uma relação direta (conexão causal) entre o consumo de gordura animal e incidência de câncer de cólon. Se alguém examinar detalhadamente o estudo, perceberá que ele se referia à carne processada (embutidos) e não à carne natural.

6) Alguns dos povos mais longevos do planeta têm como base da dieta, carnes. Não a carne industrializada, processada, mas sim a carne de gados e aves não-confinados. A composição nutricional dessa carne é diferente.

Fontes:

1) LEVINE, M, et al. Low Protein Intake Is Associated with a Major Reduction in IGF-1, Cancer, and Overall Mortality in the 65 and Younger but Not Older Population . Cell Metabolism. Vol. 19, N. 03, p.p 407-417, Março/2014.
Disponível em: http://www.cell.com/cell-metabolism/fulltext/S1550-4131(14)00062-X

2) MARQUES, Anne y Castro; VALENTE, Tessa Bitencourt and ROSA, Cláudia Severo da. Formação de toxinas durante o processamento de alimentos e as possíveis conseqüências para o organismo humano. Rev. Nutr. Vol. 22, N. 02 pp. 283-293, 2009.

sábado, 1 de março de 2014

Suplementação de doses altas de Selênio + Vitamina E podem causar câncer de próstata


A suplementação de doses altas de Selênio (200mcg/dia) e de Vitamina E (400UI/dia) pode aumentar o risco de câncer de próstata. Essa é a conclusão do estudo publicado no “Journal of the National Cancer Institute”.

O Estudo SELECT (Selenium and Vitamin E Cancer Prevention Trial) que iniciou com aproximadamente 35 mil homens em 2001, visava investigar se a suplementação de Selênio e Vit E era capaz de prevenir o surgimento do câncer de próstata.

Em 2008 perceberam que não existia benefício, pelo contrário, aumentava o risco de câncer de próstata. Conclusão: orientaram os participantes a suspenderem a suplementação. Foi então que os pesquisadores do Fred Hutchinson Cancer Research Center resolveram continuar acompanhando 4856 homens que participaram do estudo SELECT por 2 anos. Objetivo: avaliar o risco de desenvolvimento do câncer. A corte era composta por 1.739 homens com câncer da próstata e 3.177 homens saudáveis.

Conclusão: Os que tomaram Vit E isolada ou combinada com Selênio apresentavam um risco 17% maior de desenvolver câncer de próstata. Os que no início do estudo tinham níveis séricos elevados de Selênio, o uso do Selênio isolado aumentou o risco de câncer em 91%. Já os que tinham no início níveis baixos de selênio, o uso de Vit E isolada aumentou o risco de câncer de próstata em 63%.

Minhas conclusões:
1) Suplementação de selênio deve ser feita apenas em quem apresenta níveis séricos (de preferência eritrocitários) próximo ao limite inferior ou abaixo. Toxicidade ao selênio (selenose) existe e pode levar a queda de cabelos, enfraquecimento das unhas, alterações neurológicas, aumento da pressão arterial e hipotireoidismo.

2) O estímulo ao consumo de castanha de Pará (principal fonte) deve ser estimulado. Nos pacientes com alergia: suplementação com selenito de sódio ou selênio metionina, sempre acompanhando se os níveis séricos estão adequados.

3) Nunca suplementar um antioxidante isoladamente, na natureza não existem isolados. A vit E o selênio são antioxidantes e interagem fisiologicamente. Eles agem sinergicamente: a vit E reduz a exigência de selênio e o mantém em sua forma ativa; o selênio poupa a vitamina E, reduzindo a exigência dela.

4) A forma utilizada de Vitamina E no estudo é uma forma tóxica, forma um radical livre tocoferil. No nosso meio é a forma mais fácil de se suplementar Vitamina E.

5) Eu particularmente evito e oriento o consumo de óleos vegetais, oleaginosas, já que não possuem apenas tocoferóis e mas também tocotrienóis (tem post sobre isso no blog, no face e no instagram).

Fontes: 

  1. http://jnci.oxfordjournals.org/content/early/2014/02/21/jnci.dju005.extract
  2. http://www.cancer.gov/newscenter/qa/2008/selectqa