domingo, 25 de agosto de 2013

Whey protein faz bem ou mal? por Dra. Carol Morais



Whey protein virou moda. Além do tradidicional shake, estão usando para salpicar em cima da panqueca (feita de whey, claro), para fazer bolo (com cobertura, feita do mesmo ingrediente obviamente. As medidas, aliás, agora são de scoop e não de xícaras. Lamentável, diga-se), para dar sabor (oi?) ao omelete de claras e até para fazer brigadeiro. E, claro, muita gente pergunta o que penso disso. Então, vamos lá, neah?

Em primeiríssimo lugar, whey não é comida (e sou da turma do #comacomida). É uma suplementação e, por isso, deve ser prescrita como tal e utilizada com cautela. Mas vamos primeiro entender o que é isso. O whey é a proteína do soro do leite da vaca, contendo aminoácios essenciais e não essenciais, como a leucina.

Agora “pego emprestado” trecho de belo post (o link completo está aqui, ó) do meu amigo e eterno ex–sócio Frederico Lobo, médico ortomolecular. “Existem estudos mostrando que algumas células cancerígenas possuem receptores ricos em leucina. Logo se você fornece muita Leucina, teoricamente poderia aumentar as chances do tumor criar metástases”. Mas esse é apenas um dos pontos que gostaria de considerar.

Outro fator interessante, ainda citando Frederico é que o whey te faz “crescer” justamente porquê estimula mTOR. “Ela consiste em uma proteína quinase que apresenta forte indução de fosforilação e síntese proteica. Porém ela pode também induzir a proliferação de células cancerígenas, além de ocasionar aumento de uma condição chamada resistência insulínica, que seria na verdade o estágio inicial do diabetes mellitus tipo 2”.

Concordo com ele e questiono o mesmo: se temos fontes não-sintéticas, por que indiscriminadamente whey protein? Não estou aqui para questionar os resultados estéticos, mas as consequências a médio e longo prazo de substâncias consumidas unicamente com essa finalidade. Será que isso é tão importante a ponto de colocar sua saúde em possível risco? (pois esse que citei usando Frederico como fonte é apenas um desses).

Aproveito e volto a falar aqui do #projetoveraopravidatoda. O que você quer para o seu futuro? Um percentual de gordura mínimo? Um corpo esculpido à base de substâncias que ninguém sabe com segurança as consequências em alguns anos? Ou você quer ter joelhos e pernas fortes que te levem aos lugares prediletos para encontrar quem ama? Eu sou dessa turma e te convido para vir comigo. Essa viagem é uma delícia. Eu garanto.

Beijinhos, Carol!

Fonte: http://www.falecomanutricionista.com.br/whey-protein-faz-bem-ou-mal/

Um comentário:

  1. Dra. Carol, boa noite. Lí hoje, dia 05/11, as suas considerações sobre Whey Proteina. Costumo pesquisar bastante antes de me decidir a iniciar o consumo de um produto, o qual não estou acostumado e não conheço. Principalmente se for um suplemento alimentar. Mas a respeito específico sobre Whey, as opiniões médicas estão divergindo em demasia. Acabei de salvar em meus Favoritos do Google, trabalhos científicos de médicos brasileiros e nutricionistas, incluindo as fontes de pesquisas, elogiando o suplemento Whey, desde que seja derivado do leite. Por isso eu pergunto: como fica esse assunto? Em quem devemos acreditar, nós leigos? Tenho 66 anos, faço academia durante 01 ano e meio, regularmente 05 dias/semana, com rotinas de musculação e treino de corridas rápidas em esteira e pretendo tomar Whey logo após o final dos exercícios. Qual finalidade? Estou emagrecendo muito rápido e não quero ficar com braços e pernas muito finas. Foi recomendação de nutricionista. Além disso, tenho diversos artigos de nutricionistas salvos em meu micro, com estudos sobre o benefício de tomar Whey na terceira idade. Mas hoje leio seu artigo. Como devemos proceder? Em quem acreditar? Não estaria na hora de um CRM se posicionar sobre esse assunto, visando "nivelar" as opiniões? Eu apreciaria muito uma resposta opinativa.

    ResponderExcluir

Compartilhe