sábado, 24 de agosto de 2013

Interação entre gene e dieta mediterrânea previne ocorrência de AVC

Pesquisadores da Tufts University, nos EUA, descobriram que a interação entre uma variante genética e a dieta mediterrânea pode reduzir o risco de acidente vascular cerebral.

O estudo sugere que um gene fortemente associado ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 interage com a dieta mediterrânea para prevenir a ocorrência de derrame.

Os resultados foram publicados na revista Diabetes Care.

De acordo com os pesquisadores, o estudo é um avanço significativo para a nutrigenômica, o estudo das relações entre nutrição e a função dos genes e seu impacto sobre a saúde humana, particularmente o risco de doença crônica.

A equipe começou a investigar se a genética contribui para os benefícios cardiovasculares observados com o consumo da dieta mediterrânea em mais de 7 mil homens e mulheres, monitorados para doença cardiovascular, acidente vascular cerebral e ataque cardíaco por quase cinco anos.

"Nosso estudo é o primeiro a identificar uma interação gene-dieta capaz de afetar o risco de acidente vascular cerebral em um estudo de intervenção nutricional realizada ao longo de vários anos em milhares de homens e mulheres. Com a capacidade de analisar a relação entre dieta, genética e eventos cardíacos fatais, podemos começar a pensar seriamente sobre o desenvolvimento de testes genéticos para identificar pessoas que podem reduzir seu risco de doenças crônicas, ou mesmo impedi-las", afirma o autor sênior José M. Ordovás.

Liderados por Ordovás, os pesquisadores se concentraram em uma variante do gene do fator de transcrição 7-Like 2 (TCF7L2), que tem sido implicada no metabolismo da glicose, no entanto sua relação com o risco de doença cardiovascular tem sido incerto. Cerca de 14% dos participantes da pesquisa eram portadores homozigotos, ou seja, eles carregavam duas cópias do gene variante e tiveram um risco maior de doença.

"Consumir a dieta mediterrânea reduziu o número de derrames em pessoas com duas cópias da variante. A comida que eles comiam pareceu para eliminar qualquer aumento da susceptibilidade ao acidente vascular cerebral, colocando-os em uma situação de igualdade com pessoas com uma ou nenhuma cópias da variante", explica Ordovás.

Os autores ressaltam que mais estudos são necessários para determinar o mecanismo que pode estar envolvido na interação observada. Eles também pretendem continuar a explorar os dados da pesquisa para outras interações entre dietas e genes que podem estar associadas com o acidente vascular cerebral, bem como ataques cardíacos.

Fonte: http://www.sissaude.com.br/sis/inicial.php?case=2&idnot=19192

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget